Política Animais deixam de ser coisas perante a lei

Animais deixam de ser coisas perante a lei

O Parlamento aprovou hoje por unanimidade que os animais passem a deixar de ser considerados coisas, no Código Civil, para passarem a ser considerados “seres vivos dotados de sensibilidade” e “objecto de protecção jurídica”.
Animais deixam de ser coisas perante a lei
Correio da Manhã
Bruno Simões 22 de dezembro de 2016 às 18:39

Os animais vão deixar de ser considerados coisas à luz da lei. O Parlamento aprovou esta tarde um texto da Comissão de Assuntos Constitucionais que passa a atribuir aos animais um estatuto de "seres vivos dotados de sensibilidade" e "objecto de protecção jurídica em virtude da sua natureza". Os bichos não passam a ter personalidade jurídica, mas passam agora a ter uma figura jurídica específica, deixando de ser considerados coisas à luz do direito civil.

 

Após a votação, que contou com votos favoráveis de todas as bancadas, o deputado do PAN, André Silva, aplaudiu de pé a aprovação deste novo estatuto, e abraçou-se a Pedro Delgado Alves, da bancada do PS. Vários deputados de outras bancadas também aplaudiram de pé esta alteração.

 

O texto de alteração da Comissão de Assuntos Constitucionais resulta de quatro projectos de lei apresentados pelo PAN, PS, PSD e Bloco de Esquerda.

 

Por outro lado, as iniciativas apresentadas pelo Bloco de Esquerda, PAN e PS para alterar a lei que regula os maus-tratos aos animais, e reforçar as punições, foram todas chumbadas, sempre com votos contra do PSD, CDS e PCP. A falta de acordo entre as bancadas parlamentares para corrigir a legislação que pune os maus-tratos a animais já se tinha manifestado no debate da especialidade e resultou no chumbo dos projectos que pretendiam reforçar as penas.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Luis 22.12.2016

Só o feto humano é que é uma coisa descartável. Pobres diabos!

pub