Mercados Anna Stupnytska: "Reformas estruturais estão a mostrar resultados em Portugal"

Anna Stupnytska: "Reformas estruturais estão a mostrar resultados em Portugal"

A economista da Fidelity defende que as reformas estruturais levam anos a ter efeito e que em Portugal e Espanha estão agora a dar os seus frutos.
Anna Stupnytska: "Reformas estruturais estão a mostrar resultados em Portugal"
Andy Lane
Rui Barroso 05 de junho de 2017 às 08:00
A economista da Fidelity considera que mais estímulos orçamentais na Zona Euro seriam bem-vindos. Mas avisa que nos EUA podem ter efeitos contraproducentes.

Além dos estímulos monetários, a Zona Euro precisa também de estímulos orçamentais, da Alemanha, por exemplo?
É difícil ver a Alemanha a adoptar estímulos orçamentais, apesar da  Zona Euro ser uma região em que isso é necessário. Já nos EUA não vejo que isso seja necessário. Muitos estímulos orçamentais nesta fase do ciclo resultariam num cenário de expansão e quebra que poderia ser o gatilho para uma disrupção nos mercados. Mas na Zona Euro, dados os problemas estruturais, os estímulos orçamentais poderiam ajudar. No entanto, teriam de ser combinados com reformas estruturais. Neste ponto, Portugal e Espanha têm liderado e as reformas estruturais estão a mostrar resultados.

Em Portugal a economia está a recuperar. A nível político há discussão entre o actual e o anterior governo sobre de quem é o mérito. Questões políticas à parte, como avalia a evolução da economia portuguesa?
Penso que a recuperação a que temos assistido é fruto das reformas estruturais. E não há dúvida que demoram anos a ter efeito. Podem levar até seis anos se olharmos, por exemplo, para o tempo em que as reformas no mercado de trabalho na Alemanha demoraram a ter efeito. E agora acontece o mesmo em Portugal e Espanha. Portugal beneficia também de uma recuperação  mais sincronizada na Zona Euro. E  a política do BCE  foi crucial para gerar esta recuperação.

As obrigações portuguesas têm tido bom desempenho apesar das menores compras do BCE...
Há quem tenha a perspectiva de que à medida que o BCE for reduzindo as compras, Portugal se torne mais vulnerável. Mas não penso assim. Dependerá  do enquadramento económico e, devido às reformas,  penso que Portugal está bem posicionado. Mas ainda há cepticismo sobre o que pode ser feito a nível europeu devido ao Brexit e ao aumento do populismo. E existem preocupações sobre o risco italiano e um potencial contágio a Portugal quando Itália decidir ir a eleições.

"A recuperação [em Portugal] é fruto das reformas estruturais, que demoram anos a ter efeito." Anna Stupnytska
Economista Global da fidelity 



A sua opinião21
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 05.06.2017

Segundo o matreiro Costa e a pandilha, isso não é verdade. Como verdadeiros alquimistas, e vendedores da banha da cobra, alegam ter encontrado um solução miraculosa!! Nada mais longe da realidade, e apenas para consumo interno. Apenas para satisfazer a sua clientela habitual, e os BOYS sedentos de JOBS. Mas até a base eleitoral de apoio exibiu nas últimas eleições um verdadeiro cartão laranja (algo entre o amarelo e o vermelho). A única forma de justificar a sua tomada ao poder era precisamente desfazer algumas dessas reformas. "Amigo toma lá mais uma dose.. e esquece a cura". É uma questão de tempo até voltarmos ao mesmo buraco de onde agora saímos. Basta encontrarem-se reunidas, novamente, as condições necessárias.
E assim Portugal contraria o seu próprio conhecimento popular. Parece que nem à terceira vez aprendemos algo..E claro a dívida essa continua a galopar, o povo a ser mais taxado (ao contrário do que diz o alquimista chefe). Mas o povo anda entretido..

comentários mais recentes
LN 06.06.2017

Agora chamam reformas estruturais ao roubo dos salários e pensões.

Formador 05.06.2017

O que são reformas estruturais? - medidas para lixar e surripiar os rendimentos do povo enquanto as elites empresariais e político administrativas enriquecem cada vez mais, Pelo meio andam gestores e comentadores a viverem da babuge e a alimentarem a opinião pública com a ideologia adequada.

Manuel Meira 05.06.2017

Quais? O Sr. Jornaleiro, e a senhora pseudo economista, podem me dizer Uma reforma estrutural destes últimos 6 anos? Se por milagre encontrar algo a que chame isso, pode-me demonstrar os efeitos da mesma? Estão brincar aos economistas, aos videntes, pessoas que nunca meteram a mão a obra nem ideia t

Anónimo 05.06.2017

O maior processo de substituição de factor produtivo trabalho por factor produtivo capital da história da humanidade está-se a dar no mundo desenvolvido. Certos países podem, artificialmente, de modo fantasioso e inconsequente, atrasá-lo temporariamente a nível interno decretando aumentos salariais muito acima do preço de mercado e instituindo arranjos laborais intocáveis para toda a vida. A consequência disso será o aumento insuportável do endividamento excessivo e da carga tributária, que incidirão negativamente sobre o nível e qualidade de vida de toda ou uma grande parte da população adulta actual e futura, elevando o atraso e os níveis de iniquidade e insustentabilidade nesses países para patamares indecorosos dignos dos Estados falhados do chamado Terceiro Mundo.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub