Saúde António Arnaud: "A maior parte dos políticos não são utentes do SNS"

António Arnaud: "A maior parte dos políticos não são utentes do SNS"

António Arnaud, conhecido como "pai" do Serviço Nacional de Saúde, e o médico e ex-deputado João Semedo, apresentam este sábado um livro com propostas para reformar o SNS. Em entrevista à TSF, Arnaud discorre sobre as principais medidas e diz que é preciso acabar com "a grande promiscuidade entre o público e o privado".
António Arnaud: "A maior parte dos políticos não são utentes do SNS"
Hugo Rainho/Correio da Manhã
Negócios 05 de janeiro de 2018 às 10:16

"A maior parte dos políticos não são utentes do Serviço Nacional de Saúde" e, por isso, "não compreenderam o sentido que ele tem no sentido da defesa da dignidade e na coesão social". O diagnóstico é feito por António Arnaud, o advogado a quem é atribuída a paternidade do SNS, e que, quase quatro décadas volvidas, se juntou ao médico João Semedo para apresentar uma nova lei de bases para o sector.

Em entrevista à TSF, António Arnaud defende que o SNS volte a ser colocado no centro das prioridades políticas do País. Isso passa por reforçar o seu financiamento, revalorizar as carreiras, acabar com as promiscuidades entre público e privado e tornar o serviço realmente acessível a todos os cidadãos.

"O SNS é aquele que garante em primeira linha a resposta a toda a população, sem nenhuma discriminação. Como sabe hoje há grandes zonas do país que não têm cobertura. E isso tem de acabar", diz o advogado em entrevista.

Outra situação que tem de acabar depressa é a "grande promiscuidade entre o público e o privado". Os autores do livro "Salvar o SNS: Uma nova lei de bases da saúde para defender a democracia" não chegam a defender a exclusividade dos médicos no público, mas propõem por exemplo que se revejam as parcerias publico-privadas. Numa entrevista recente ao jornal i, João Semedo justificava a decisão com a falta de racionalidade económica deste modelo.

"As PPP são inutilmente caras e muito caras porque o Estado podia prestar os mesmos serviços sem ter de pagar aos privados a margem de lucro de que eles beneficiam nesses contratos". Além do mais, questionava o antigo deputado bloquista, "em que é que o hospital de Loures ou de Vila Franca (ambos PPP) são melhores geridos que o Santo António por exemplo? E, agora que tanto se tem falado no assunto, onde está a excelência da gestão privada dos CTT?"

Os dois autores defendem ainda uma dignificação das carreiras profissionais no SNS, nomeadamente dos médicos e enfermeiros, porque eles "são a grande trave mestra" do sistema.

 

O livro "Salvar o SNS: Uma nova lei de bases da saúde para defender a democracia" é lançado este sábado, 6 de Janeiro, em Coimbra. 




A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Antunes Há 1 semana

Nem do SNS nem da educação pública. Porque se fossem eles utilizadores e as suas familias não faziam as leis estupidas que fazem. Mas como é para o Zé Povinho, os outros que se danem.

Camaradaverao75 Há 1 semana

Julgo que o prof. Marcelo só foi bem tratado porque tinha a ADSE. Logo tem razão os trab. da AE que nem a ADSE tem.

Anónimo Há 1 semana

Pai? É caso para dizer que o SNS é filho da p*ta. Este "pai" no tempo do passos gritava que criam acabar com o SNS. Quem me dera os hospitais nesse tempo. Volta Passos!

Anónimo Há 1 semana

Antonio Arnaud grande homem ,politico que voltou a falar e lembrar o SNS para todos ! Cidadão de grande carater ! Pen é que não existam mais politico deste estirpe para fazer frente aos privados que estão como A RAPOSA A GUARDAR O GALINHEIRO ,com médicos fazem pouco ou nada para bem público

ver mais comentários
pub