Economia António Borges: Falta de equidade leva a sentimentos de revolta

António Borges: Falta de equidade leva a sentimentos de revolta

Consultor do Governo defende que “não há uma divisão equitativa” dos sacrifícios em Portugal e que a impunidade é outros dos factores que revolta as pessoas
António Borges: Falta de equidade leva a sentimentos de revolta
Negócios 24 de fevereiro de 2013 às 15:34

O economista António Borges diz que é a distribuição pouca equitativa dos sacrifícios que está a motivar a revolta dos portugueses.

 

É aqui que a crise é mais injusta e penosa e leva a sentimentos de revolta, que todos devemos sentir, porque não uma há divisão equitativa das consequências e muitas vezes há muita impunidade”, disse o consultor do Governo para as privatizações.

 

Citado pela SIC numa conferência que decorreu Sábado em Castelo Branco, Borges acrescentou que “houve quem beneficiasse muito com esta política” que têm sido praticada em Portugal e não foram os mais pobres.




A sua opinião42
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 24.02.2013

Se ele consegue perceber isso, é bastante grave, pois pertence a um governo q nada faz para corrigir desigualdades e injustiças crónicas que grassam à vários anos neste país, onde não existe justiça e onde uma oligarquia governa na sombra e enriquece com o dinheiro de quem trabalha para sobreviver.

comentários mais recentes
Anónimo 27.02.2013

Que figurão!!!

Anónimo 27.02.2013

Não há dúvida que sim. Os impostos, por exemplo, são a prova dessa falta de equidade, pois as taxas deviam ser progressivas em todos. Porque é que eu, que só tenho uma modesta casa e em que habito, cujo valor patrimonial é de 20 000 euros, é-me aplicada a mesma taxa que é aplicada à vivenda de férias, por exemplo, do dr. Mário Soares, que possui no Algarve, e que, no mínimo dos mínimos, se não beneficiar de qualquer benesse, deve ter um valor patrimonial, no mínimo,na ordem 700 000 a 800 000 euros? E porque é que eu, que recebo de vencimento 900 euros mensais me aplicam a mesma taxa que a um outro que recebe 2 000 ou 3 000 euros mensais, a mesma taxa para o cálculo da cotização para a Segurança Social? Já sei que os tubarões me vão devorar, mas enfim, os cães ladrão mas a caravana passa!

andre 25.02.2013

É surpresa atrás de surpresa! É Carlos Amorim a dizer que está farto dos eeros de Gaspar e esta encomenta a falar de equidade e impunidade. Só falta Passos Coelho vir dizer que o amigo Relvas, afinal, só está a prejudicar o Pais e o Governo.

Anónimo 25.02.2013

Tu és um bom exemplo de quem foi beneficiado e agora arranjam-te um tacho com salário principesco. Se estivesses calado eras mais inteligente.

ver mais comentários