Política António Costa confiante que abriu as portas do mercado indiano

António Costa confiante que abriu as portas do mercado indiano

O primeiro-ministro considerou esta quinta-feira que a sua origem goesa facilitou o objectivo de abrir as portas do mercado da Índia e manifestou-se confiante que o Governo indiano quer tornar Portugal uma sua plataforma na Europa.
António Costa confiante que abriu as portas do mercado indiano
Miguel Baltazar
Lusa 12 de janeiro de 2017 às 14:20
Esta posições que foram assumidas por António Costa perante os jornalistas em Goa, durante a tarde do seu último dia de visita de Estado à Índia, após ter estado na Sé Catedral e na Basílica de Bom Jesus em Velha Goa e antes de ter sido abençoado no Templo Manguesh, o mais representativo da religião hindu em Pangim, capital do Estado de Goa.

"As minhas origens, claramente, permitiram criar uma empatia que permitiu elevar esta visita à Índia à natureza de Estado e criar uma relação especial com as autoridades indianas, que mostraram um grande interesse na cooperação. Tratou-se sobretudo de virar a página relativamente ao passado", afirmou o líder do executivo, numa alusão ao período colonial português.

Também em defesa do carácter especial da sua visita, António Costa alegou que "não foi por acaso que, pela primeira vez, em 40 anos, um primeiro-ministro português visitou Goa".

"Não é por acaso que podemos agora ter um Centro de Língua Portuguesa num local central de Pangim, com instalações condignas, ao mesmo tempo que se verifica um movimento crescente de aprendizagem do português, quer na universidade, quer nos liceus de Goa. Há agora outro clima entre Portugal e a Índia - e é preciso saber aproveitá-lo", disse.

Na sequência da invasão de Goa por tropas da União Indiana em Dezembro de 1961, Portugal e Índia apenas restabeleceram relações diplomáticas após o 25 de Abril de 1974.

No entanto, na perspectiva do primeiro-ministro, as relações luso-indianas continuaram incipientes.

"Os nossos objectivos com esta visita passaram por uma vertente económica, abrindo portas a mais exportações e à atracção de investimento, e por uma segunda vertente ao nível da cooperação científica e tecnológica. Acho que todos os contactos que tivemos, quer com autoridades políticas, quer nos fóruns empresariais, dão-nos boas perspectivas de que a porta ficou aberta e há disponibilidade para se utilizar essa porta", defendeu António Costa.

Ainda de acordo com António Costa, para assegurar que há resultados concretos, decidiu que as visitas à China e à Índia seriam logo no início do mandato do seu Governo.

"São visitas que visam abrir um caminho e, como tal, é preciso dar continuidade. Daqui a um ano podemos avaliar melhor esta visita", advogou o líder do executivo.

Para já, segundo António Costa, sabe-se que "das autoridades políticas há um enorme empenho e que o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, foi inexcedível em relação à vontade que tem em utilizar Portugal como um parceiro estratégico para a cooperação com países terceiros".

"No caso da Europa, na sequência do 'brexit', Portugal pode ser a sua plataforma na União Europeia. Penso que há grande interesse em trabalhar com Portugal em áreas como as energias renováveis, na execução de infraestruturas (área em que o Governo tem um programa de investimento gigantesco), quer rodoviários, quer na gestão de resíduos e da água. São grandes oportunidades para as empresas portuguesas", apontou ainda António Costa.



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 12.01.2017


Ladrões FP e CGA - SEMPRE A ROUBAR À GRANDE

E não deixa de ser anedótico que o contribuinte que vê a sua reforma cada vez mais longe e mais baixa, ainda seja chamado para pagar as absurdas pensões dos ladrões CGA.

Fica aqui a lista do pilim que os ladrões CGA consomem ao OE (e que todos os contribuintes pagam):


Ano- Receitas CGA/ Trf. OE/ Desp. total

2008 - 2298 / 3396 / 6705

2012 - 2846 / 4214 / 7196

2015 - 4927 / 4601 / 9528 Milhões €


Pordata

comentários mais recentes
5640533 13.01.2017

Socialista adora passear por conta do Estado. E que a Goa não se vai de passagem.

Anónimo 12.01.2017


ESTADO NÃO DEVE PAGAR O REGABOFE DOS LADRÕES FP / CGA

OS DESCONTOS DOS BENEFICIÁRIOS CGA, NÃO CHEGAM PARA PAGAR… NEM METADE DA PENSÃO QUE RECEBEM

Não é verdade que as pensões em abono correspondam ao valor dos descontos dos beneficiários.

As pensões auferidas são muito superiores às que os pensionistas teriam direito caso apenas se utilizassem os respetivos descontos capitalizados para as pagar.

Com pressupostos muito otimistas, não seria sequer possível pagar 50% das pensões que a CGA atualmente paga, caso apenas se contassem os descontos legais feitos a favor do pensionista ao longo da sua carreira.

Anónimo 12.01.2017

Não entendo porque razão o JN, que recusa tantos comentários que não devia recusar, deixa passar comentários que nada têm a ver com o artigo em questão e mais parecem ser colocados por robots em diversos artigos

Anónimo 12.01.2017

Afinal não era viagem de negócios ma sim visita de família à conta do povo. O c* galhao foi à pala da GALP. Tudo XUXAS.

ver mais comentários