Política António Costa descreve Mário Soares como “o rosto e a voz da nossa liberdade”

António Costa descreve Mário Soares como “o rosto e a voz da nossa liberdade”

O primeiro-ministro esteve presente na cerimónia evocativa de Mário Soares através de uma mensagem em vídeo enviada da Índia. António Costa disse que o ex-Presidente foi, “em momentos decisivos, o rosto e a voz da nossa liberdade”.
António Costa descreve Mário Soares como “o rosto e a voz da nossa liberdade”
Miguel Baltazar
Bruno Simões 10 de janeiro de 2017 às 13:52

A mensagem em vídeo do primeiro-ministro António Costa não podia ser mais elogiosa para com Mário Soares. A partir da Índia, onde se encontra em visita de Estado, o primeiro-ministro descreveu o falecido ex-Presidente como "um exemplo de combate constante por aquilo em que acreditava", que "configurou o Portugal democrático" e foi o autor "das suas opções fundamentais". Mário Soares foi "o principal fundador da democracia portuguesa e um dos portugueses mais prestigiados no mundo".

 

"Mário Soares foi, em momentos decisivos, o rosto e a voz da nossa liberdade. Desse título, que era certamente aquele que mais lhe agradava, raros homens se podem orgulhar", sublinhou António Costa. O chefe do Governo disse que Soares "aliou sempre idealismo e realismo, convicção e acção, política e cultura, consciência da história e das lições do passado com visão criadora e ambiciosa do futuro".

 

"Quem o conheceu não esquece o seu amor pela vida e pelas suas coisas boas. A sua coragem ímpar e a sua tenacidade inabalável. A sua cultura viva e vivida. A sua audácia criadora e a sua astucia divertida. A sua energia, que mobilizava e inspirava. O seu optimismo que nunca desistia e as suas gargalhadas contagiantes. A sua capacidade de prever e advertir. As suas fúrias terríveis e passageiras. A sua avidez de viver, de conhecer, de descobrir, de encontrar. A sua grandeza e a sua sabedoria", prosseguiu.

 

Costa admitiu que "Soares pode ter-se enganado às vezes no acessório, mas nunca se enganou no fundamental. E o fundamental para ele era a visão que tinha do país, da Europa e do mundo". Mário Soares via a Europa como uma "comunidade de ideais e de valores, fundada na igualdade dos seus membros, na partilha de objectivos e interesses, na solidariedade e na cooperação, capaz de ser uma grande força de paz e de progresso no mundo do século XXI".

 

Costa recordou os tempos de prisão, a deportação para São Tomé e o exílio em França. E explicou que hoje se entrega "às gerações futuras a memória de um grande português de quem tivemos o privilégio e a honra de ser contemporâneos. Mário Soares construiu a história e, por isso, a história guardará o seu nome, a sua obra, o seu exemplo".




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 10.01.2017


A ladroagem de esquerda

AS CLASSES SOCIAIS EM PORTUGAL:

1. Burguesia = Os Patrões

2. Nobreza = Os Ladrões FP / CGA

3. Povo = Os Trabalhadores e Pensionistas do privado (que são tratados como escravos e roubados para sustentar as 2 classes privilegiadas)

comentários mais recentes
JARANES 11.01.2017

O VERDADEIRO SOCIALISMO
Ficamos a saber pela voz da filha de Mário Soares que este tinha por hábito deslocar-se a França, levando com ele desvalidos das zonas pobres de Lisboa e levava-os a almoçar e jantar nos restaurantes chiques de Paris e fulaneava com eles pelo Cartier Latin.
Tudo muito chique e muito socialista.

Anónimo 10.01.2017

Alguns dos comentaristas deviam agradecer a Mário Soares o privilégio de poderem dar aqui a sua opinião.
Foi ele que lhes proporcionou a liberdade de o fazer

Só um sopônhamos! 10.01.2017

Será que se tivessemos um primeiro ministro a sério e não esta coisa a fingir e não estivesse no país para assistir ao funeral deste que acabam de enterrar, a nossa imprensa, sempre democraticamente neutra não teria já derrubado o Carmo, a Trindade, Cristo Rei, ponte Salazar e Torre dos clérigos?

O rei 10.01.2017

Já sabemos... foi o rei dos reis... o faraó dos faraós... o maior de todos os tempos... o maior de todos os déspotas!

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub