Economia António Costa dirige-se hoje ao país na tradicional mensagem de Natal

António Costa dirige-se hoje ao país na tradicional mensagem de Natal

O primeiro-ministro, António Costa, fala este domingo ao país, na sua segunda mensagem de Natal como líder do Executivo, depois de em 2015 se ter manifestado confiante na construção de "um tempo novo" para Portugal.
António Costa dirige-se hoje ao país na tradicional mensagem de Natal
Reuters
Lusa 25 de dezembro de 2016 às 11:39

Como é tradição, o primeiro-ministro dirige-se ao país a 25 de Dezembro para a mensagem de Natal. Depois de em Novembro ter cumprido um ano de Governo, António Costa fala hoje aos portugueses pela segunda vez nesta quadra.

 

Há um ano, António Costa manifestou-se confiante na construção de "um tempo novo" para Portugal, com crescimento, emprego e consolidação financeira, e na viabilidade política de uma "plataforma comum" assente no diálogo, na transparência e no compromisso.

 

O primeiro-ministro fez então uma alusão ao processo que conduziu à formação do Governo, que tem como suporte parlamentar - além do PS - o Bloco de Esquerda, o PCP e "Os Verdes", a denominada ‘geringonça’ que em 2016 viabilizou o segundo Orçamento do Estado do governo socialista.

 

"Como ficou provado pelos acontecimentos recentes na nossa democracia, temos confiança que, pelo diálogo, pela transparência e pelo compromisso, atingiremos uma plataforma comum que dê resposta às necessidades do país, com vista ao relançamento da economia e à geração de emprego", disse então António Costa.

 

António Costa identificava como principal missão do Governo alcançar um "triplo desígnio" de mais crescimento, melhor emprego e maior igualdade, através de uma estratégia de modernização da economia assente no investimento na cultura, na ciência e na educação como pilares-chave.

 

Para o ano que agora termina, o primeiro-ministro antecipou então que se assinalariam simultaneamente os 40 anos da Constituição da República Portuguesa, os 30 anos da adesão de Portugal à então CEE (Comunidade Económica Europeia) e os 20 anos da fundação da CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa).

 

"E estas três datas são o momento para reafirmamos compromissos fundamentais com a nossa própria identidade: A identidade democrática expressa na Constituição; a identidade de um país que pretende defender o futuro do projecto europeu e o seu ideal de prosperidade; e de um país que valoriza e promove a comunidade de cidadãos que partilham a nossa língua, a língua portuguesa", destacou.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

???? ?????????? ???? ??????. ?? ????????????? ??????? ?????????? ???????????? ???? ? ???????? ??????? ???? ????? ????????? ????????. ??? ???, ? ????????? ??? ?? ?????, ? ???????? ?????, ? ???? ???????. ??? ??????? ???????????? ??????, ? ??????? ??????? ???????????. ? ????? ??????, ????? ?? ???????.

Criador de Touros 25.12.2016

O indiano é ateu e fala do Natal ?...Os ateus/agnósticos como o indiano é, deveriam trabalhar no Natal e não ter direito às delícias gastronómicas do Natal...!!; )

Anónimo 25.12.2016

o monhé deve se dirigir aos oportuinstas do ps como ele o maior golpista que apareceu na cena política portuguesa.não ganhou as eleições mas descobriu a maior aldrabice com a ajuda do pcp para governar e proteger os amigalhotes...um traidor ao ps e a Seguro devia ter sido corrido a pontapé! evapora

Anónimo 25.12.2016

A.Costa tem um problema grave com a seriedade e a ética, é pior q Sócrates. A forma como aceitou ser PM nomeado pelo PC depois do q exigiu ao Seguro, o embuste do défice à conta da divida, legislar a pedido de gestores da banca e às escondidas dos portugueses e do parlamento....

ver mais comentários
pub