Economia António Costa no Chile e Argentina com uma forte componente económica na agenda

António Costa no Chile e Argentina com uma forte componente económica na agenda

O primeiro-ministro inicia na segunda-feira visitas oficiais à Argentina e ao Chile, num programa que inclui encontros institucionais com os chefes de Estado dos dois países sul-americanos e que possui uma forte componente económica.
António Costa no Chile e Argentina com uma forte componente económica na agenda
Reuters
Lusa 09 de junho de 2017 às 09:12

Durante os quatro dias de presença em Buenos Aires e em Santiago do Chile (dois em cada uma das capitais), António Costa estará acompanhado pelos seus ministros dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e da Economia, Manuel Caldeira Cabral.

 

Fonte oficial do executivo português referiu à agência Lusa que, tanto a Argentina, como o Chile, apresentam projecções de crescimento na ordem dos dois por cento para este ano, sendo mercados em que a presença nacional ainda é considerada baixa.

 

"Estamos perante países ou em recuperação (caso da Argentina) ou em consolidada expansão (caso do Chile). Há um potencial de crescimento nestes mercados para as empresas portuguesas, sobretudo nos sectores das infra-estruturas e do fornecimento de equipamentos", salientou a mesma fonte do Governo.

 

Já no plano das relações políticas, o executivo português salienta sobretudo os factos de a chilena Michelle Bachellet já ter manifestado publicamente o seu gosto por Portugal e de António Costa conhecer pessoalmente o chefe de Estado da Argentina, Maurício Macri.

 

Macri desempenhou as funções de presidente do Distrito Federal de Buenos Aires a partir de 2007, ou seja, no mesmo período em que o actual primeiro-ministro também começou a exercer o cargo de presidente da Câmara de Lisboa.

 

O primeiro ponto do programa de António Costa na capital argentina será uma intervenção no encerramento de um encontro empresarial promovido pela AICEP (Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal) e pelo Ministério das Relações Exteriores da Argentina.

 

Depois, visitará a Universidad Argentina de la Empresa (UADE), onde fará novo discurso, e estará presente num encontro com a comunidade lusa residente neste país - uma recepção que terá lugar no Clube Português de Buenos Aires.

 

O momento alto do segundo e último dia em Buenos Aires, na terça-feira, acontecerá quando o primeiro-ministro se reunir com o Presidente da República, Maurício Macri, na Casa Rosada, após o qual haverá assinatura de acordos bilaterais e declarações à imprensa.

 

Antes, ao início da manhã, António Costa visitará o Congresso dos Deputados da Argentina, tendo encontros com a vice-presidente da República, Gabriela Michetti, e com o presidente da Câmara de Deputados, Emilio Monzó.

 

O primeiro-ministro terá ainda um momento solene quando se deslocar à Praça de San Martin, onde deporá uma coroa de flores e fará um minuto de silêncio em memória dos mortos em combate nas lutas pela independência da Argentina.

 

Na quarta-feira, já no Chile - país com uma economia considerada mais estável do que a Argentina - a parte inicial do programa terá um carácter estritamente político institucional.

 

O encontro com a presidente chilena acontecerá logo ao fim da manhã, seguindo-se uma reunião alargada entre os governos dos dois países, declarações à imprensa e um almoço oficial.

 

Antes da reunião com Michelle Bachelet, em La Moneda, o primeiro-ministro desloca-se ao Monumento Bernardo O´Higgins, local onde haverá honras militares e a deposição de uma coroa de flores.

 

Na parte da tarde, António Costa discursa na sessão de abertura de um seminário empresarial promovido pela AICEP e pela InvestChile, terminando o seu primeiro dia em Santiago com uma visita ao Museu da Memória.

 

Antes de regressar a Lisboa na tarde de quinta-feira, durante a manhã desse dia, o líder do executivo ainda visitará o centro histórico de Santiago do Chile e o Centro Artesanal Los Dominicos.

 


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Este rasga contratos só vai publicitar e lembrar a falta de confiança de investidores estrangeiros casos: TAP, TCP, EDP(?), etc.

policia e gnr velhinhos 60 anos reformados S/corte Há 2 semanas

SÓ PASSEAR A CUSTA DOS TANSOS TUGAS
MELHOR DO QUE ISTO, É A CIGANADA NOS BAIRROS SOCIAIS A BRINCAR COM PENIS E TELEMOVEL

Conselheiro de Trump Há 2 semanas

O selfie refugado foi fazer o 10 de junho para o brasil aos familiares e aos velhos com pichota de crianca(pedofilos),o numero 1 e 2 tambem vao para as americas latinas,quem vai ficar a olhar pelas lareiras?Vamos esperar q o curandeiro mimico aritmetico nao saia das estribeiras,os coices dele s d mo

pub
pub
pub
pub