União Europeia António Costa: "Só temos que dizer obrigado à União Europeia"

António Costa: "Só temos que dizer obrigado à União Europeia"

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou esta terça-feira em Coimbra que Portugal só pode "estar grato" à União Europeia, porque "as vantagens" de participar no projecto europeu superam qualquer problema que possa surgir.
António Costa: "Só temos que dizer obrigado à União Europeia"
Miguel Baltazar
Lusa 31 de outubro de 2017 às 18:39

Com o presidente da Comissão Europeia ao seu lado e diante de uma plateia repleta de estudantes em Coimbra, António Costa sublinhou as contribuições da União Europeia para Portugal, considerando que os jovens que o ouviam podiam estar "muito felizes de não terem conhecido o país antes de 1986", ano da adesão do país ao projecto europeu.

 

"Só temos que dizer obrigado à União Europeia", frisou o primeiro-ministro, dando a garantia aos jovens da plateia de que "a imagem do país hoje não tem comparação com aquilo que era o país há 30 anos".

 

No entanto, notou que, tal como na vida em sociedade, há "dificuldades", mas "as vantagens e a mais-valia" de Portugal participar na União Europeia "é incomparável com qualquer problema que possa surgir" da participação no projecto.

 

Durante o debate, António Costa referiu que Portugal "não é seguramente dos países" em que há uma maior crítica à União Europeia e, assegurou, "há boas razões para que assim seja: 85% do investimento público que existe em Portugal resulta de fundos comunitários. Só 15% é que resulta de fundos nacionais".

 

"Se há país que tem bons motivos, ao longo destes 30 anos, para estar grato à contribuição da União Europeia, esse [país] somos seguramente nós", vincou o líder do executivo, notando que o investimento dos fundos comunitários não permitiu apenas construir "as grandes auto-estradas", mas também ajudar a modernizar a agricultura, a aumentar o nível de investimento empresarial ou a modernizar o sector educativo e do ensino superior.

 

No decorrer do evento, António Costa reiterou a necessidade de um crescimento com base na inovação e nas pontes entre a produção de conhecimento e o sistema empresarial e não à custa "de baixos salários e precarização".

 

O comissário europeu Carlos Moedas, que também participou no debate intitulado "Futuro da Europa - que Europa queremos?", sublinhou que é necessário um sistema de ensino que garanta "interdisciplinaridade".

 

Para Carlos Moedas, para assegurar um futuro próspero, há que apostar em sistemas de ensino que "sejam ousados e que não tenham medo de mudar", ao invés dos sistemas "conservadores" que se encontram na maioria da Europa, apontando para o modelo da Finlândia como um bom exemplo. 

 

O debate decorreu hoje à tarde, no Teatro Académico de Gil Vicente, em Coimbra, após a cerimónia de atribuição do doutoramento 'honoris causa' a Jean-Claude Juncker, de manhã. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Nã... o costa não só têm que dizer obrigado Há 3 semanas

Mas também deve rezar a todos os Santos e ir a Fátima a pé e de joelhos, para o BCE continuar a comprar dívida,caso contrário os juros sobem para valores impossíveis e o Costa vai de vela.

pub