Economia António José Seguro acusa Governo de preparar TSU dos idosos

António José Seguro acusa Governo de preparar TSU dos idosos

O secretário-geral do PS acusou o Governo de estar a preparar uma "TSU dos idosos" ao alargar a incidência da Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES) e defendeu que o défice orçamental aumente em 0,2%.
A carregar o vídeo ...
Negócios com Lusa 03 de janeiro de 2014 às 12:31

Estas posições foram assumidas por António José Seguro no final de uma reunião com a Cáritas Portuguesa, depois de confrontado com as medidas do Governo que visam alargar a base de incidência da CES e aumentar as contribuições para a ADSE para contornar o chumbo da convergência das pensões dos funcionários públicos pelo Tribunal Constitucional.

 

"A nossa posição é muito simples: É necessário parar com a austeridade. Isso significa que se pode acomodar em 0,2% o défice para o próximo ano", frisou o líder socialista, considerando que as medidas do Executivo configuram "uma TSU sobre os idosos".

 

O Governo admitiu esta quinta-feira, 2 de Janeiro, o alargamento da CES a mais pensionistas. O Negócios sabe que o Governo pondera aplicar os cortes a pensões do público e do privado superiores a mil euros.

 

O limiar de mil euros é considerado por fonte governamental como o valor que passa no crivo da análise do Tribunal Constitucional a um corte nas pensões, na sequência do último acórdão.

 

Esta medida, juntamente com o aumento dos descontos para a ADSE, visa cobrir os 388 milhões de euros que ficaram em falta com a declaração de inconstitucionalidade dos cortes nas pensões da CGA.

 

Nas suas declarações, António José Seguro fez uma referência indirecta "à linha vermelha" traçada no ano passado pelo actual vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, em relação a uma eventual "TSU dos pensionistas", ou seja, um aumento de taxas sobre a generalidade das pensões.

 

"O Governo anunciou que vem aí a TSU dos idosos. O PS só tem uma palavra, sempre esteve e estará contra. Esperemos que dentro do Governo também só exista uma palavra", afirmou o secretário-geral do PS.

 

António José Seguro criticou também a forma como foram anunciadas as novas medidas sobre os funcionários públicos e pensionistas no final da reunião do Conselho de Ministros.

 

"O PS considera que esta não é uma forma de governar, anunciando-se meias medidas. O Governo diz que vai porventura num determinado sentido, mas não diz quais são os portugueses que são abrangidos. Isso cria mais incerteza e insegurança no início do novo ano para famílias de portugueses que passam enormes privações", apontou.

 

Já em relação à possibilidade de Portugal deixar deslizar o défice em 0,2 pontos percentuais, Seguro defendeu que tal é possível em negociação com a 'troika' (Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional e Comissão Europeia).

 

"Os 0,2 podem ser facilmente acomodados no défice. A Irlanda, antes de sair do programa de assistência financeira, conseguiu contratar um défice de 4,7%. Se Portugal tiver um défice de 4,2% não vem nenhum mal ao mundo, porque é uma gota de água comparada com 100, 200 ou 300 euros no bolso dos reformados", argumentou o secretário-geral do PS.

 

Para o líder socialista, mesmo a cinco meses do final do programa de assistência financeira, Portugal está em condições de renegociar com a 'troika' metas do seu programa de ajustamento.

 

"É fundamental que a 'troika' e o Governo percebam que é necessário um equilíbrio das contas públicas por via do crescimento. Os défices equilibram-se tanto por via da redução da despesa como por via do crescimento da economia. Mais austeridade significa que haverá maior dificuldade para equilibrar as contas públicas", argumentou.




A sua opinião57
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 03.01.2014

Mas que grande Novidade!!! Se o governo diz "branco" a oposição automaticamente diz "preto"; se o governo diz "preto" a oposição automaticamente diz "branco".
Apresentam alternativas viáveis caramba! Neste país o debate político é centrado na táctica mesquinha, onde ganhar pontos e guerrinhas a curto prazo é mais importante do que o bem maior. É mesmo patético.

comentários mais recentes
Anónimo 05.01.2014

SR INSEGURO UMA DAS COISAS JÁ SABE NÃO MANDA NO PARTIDO É UMA MARIONETE NAS MÃOS DE QUEM? ANTÓNIO COSTA, SÓCRATES, MÁRIO SOARES, MANUEL ALEGRE, FERRO RODRIGUES, EM SUMA DE TODOS. NÃO TEM PERSONALIDADE SUFICIENTE PARA ESTAR À FRENTE DO PS E MUITO MENOS SER PM, LOGO NÃO PODE DAR OPINIÕES POIS NÃO TEM CAPACIDADE PARA TAL.

jmsm 04.01.2014

Estou curioso, por conhecer as alternativas que o tozé tem na manga, que não passem por gastar o que não há, para que depois, todos os que ainda pagam impostos, suportarem a factura.

JMCS 04.01.2014

Este só arma confusão: Uns dizem que é CES, ele diz que é TSU! Está a ficar igual ao Paulo Portas...

antunano 03.01.2014

Ainda não é governo e já está a prometer novo esbanjamento parando com aquilo que o seu dono nos levou ao charco. Para quando esta gente dita de esquerda, coisa estranha e muito falada como se fosse para comer. Pq não vão os admiradores de esquerda para Cuba ou Coreia do Norte? Mesmo na Venezuela sem petróleo, já dava para tomar o gosta da esquerda.Mas este senhor não tem uma crítica, para de seguida opinar o caminho que fosse melhor e fundamentá-lo para se saber o que quer:

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub