Banca & Finanças António Domingues vai receber salário superior a 30 mil euros por mês na CGD

António Domingues vai receber salário superior a 30 mil euros por mês na CGD

Mário Centeno divulgou dados sobre salários da nova equipa de gestão da Caixa. O ministro das Finanças garante que custo total dos salários é inferior ao que resultaria da aplicação da lei anterior, que o Governo de Costa mudou.
António Domingues vai receber salário superior a 30 mil euros por mês na CGD
Bruno Simão/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 18 de Outubro de 2016 às 15:59

O ministro das Finanças revelou esta terça-feira, 18 de Outubro, que o presidente do conselho de administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai receber um salário anual que corresponde a 423 mil euros por ano, o que equivale a um valor ligeiramente acima de 30 mil euros por mês (14 meses).  

A revelação de Mário Centeno foi feita no Parlamento onde está a responder aos deputados do PSD que pediram esclarecimentos sobre o banco público e a execução orçamental. 

O ministro, que se referiu sempre a dados anuais, acrescentou que os vogais executivos terão um salário anual igual a 337 mil euros, o que corresponde a 28 mil euros/mês. Já os vogais não executivos vão receber 49 mil euros por ano, um valor que o ministro disse ser "um pouco mais baixo do que a mediana". 

Os salários pagos à nova equipa de gestão da Caixa estão na "mediana do sector em Portugal", disse Centeno, lembrando que o Governo sempre defendeu que os salários da nova equipa da Caixa "não iriam nem inflacionar o mercado nem estar fora do [valor de] mercado". 
 

O ministro das Finanças respondia a questões sobre a Caixa Geral de Depósitos colocadas pelo deputado do PSD, Duarte Pacheco. Os sociais-democratas centraram as questões da Caixa em dois aspectos: a política remuneratória da nova administração, que ainda não era conhecida, e a auditoria à Caixa que foi aprovada pelo Governo em Junho. 

Mário Centeno garantiu que apesar das novas regras de política remuneratória para o banco público, que acabou com um limite aos salários, "o custo total [que resultaria da aplicação da regra anterior] seria superior àquele que é neste momento".  


O deputado do PSD António Leitão Amaro perguntou se a média do sector foi calculada tendo por base os salários praticados nos bancos onde houve intervenção pública ou se teve em conta todos os bancos. Na resposta, Mário Centeno revelou que as contas tiveram por base "os principais bancos portugueses e foi esse o universo que foi utilizado". 

 
Auditoria à gestão da Caixa desde 2000 adiada para "momento oportuno"

Outra das questões que o PSD quis esclarecer prende-se com a auditoria aprovada em Junho pelo Governo sobre a gestão da Caixa desde 2000. O ministro das Finanças referiu que a nova administração, liderada por António Domingues, está agora "concentrada" na recapitalização do banco público, que o Governo quer fazer até ao final deste ano, e afirmou que a auditoria que ficou prevista em Junho será feita "em momento oportuno". Ou seja, fica adiada para depois do aumento de capital. 

A 23 de Junho, o Governo decidiu pedir uma auditoria à CGD para conter a "perturbação" que existe em torno do banco público. O anúncio foi feito pelo ministro das Finanças, no final da reunião do Conselho de Ministros, e abrange os actos praticados pelas várias equipas de gestão da Caixa depois de 2000.

Este horizonte temporal coincide com a imposição feita pelo PSD e CDS para a criação comissão de inquérito à gestão da Caixa e ao processo de recapitalização em curso. 

(Notícia actualizada às 16:22 com mais informação)




A sua opinião92
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 2 semanas

Este Groucho Marx Centeno é o exemplar mais acabado da média e da mediana da mediocridade e da imbecilidade engravatada nacionais.
Para calcular médias e medianas bastava um aluno do 1º ano de um qualquer curso de gestão. Mesmo de universidades farinha amparo. Não era necessário uma comissão de vencimentos constituída por uns quantos ilustres que certamente também vão custar uns milhares.
Além disso, informar que o Domingos vai receber 400 e tal mil euros anuais de salário é curto e pouco. Centeno devia informar qual é o pacote completo que foi oferecido à figurinha – porque esses membros da casta superior não se contentam com regras corriqueiras – enfim, quanto é que efetivamente esses crânios vão custar na totalidade por ano aos contribuintes portugueses em salários, fundos de pensões, bónus, carros topo de gama, mordomias várias, etc.
Felizmente para o Centeno, os jornalistas que lhe surgem pela frente estão igualmente na média e mediana da mediocridade e imbecilidade nacionais pois face ao conforto do Centeno ao anunciar que os ditos cujos iriam receber em linha com as médias não sei de quê talvez lhe devessem lembrar que tem havido bancos a apresentar lucros e outros e acumular prejuizos.
Se é certo que os novos administradores não são responsáveis pelos prejuizos anteriores da CGD, também é verdade que deviam ter oportunidade para demonstrar que serão capazes de inverter essa situação e devolverem em dividendos aos acionistas os milhares de milhões que estes injetaram na CGD.
Pelo que a conversa do Centeno quanto a mim tem mais a ver com aspirações futuras escondidas do Centeno – quando deixar o Governo ainda vai arredondar e engordar o rendimento como administrador da CGD - do que com qualquer critério consistente e civilizado.
Por isso, para mim a coisa seria clara:
O salário mais alto a pagar pela CGD, no caso ao Domingos, não devia exceder um múltiplo 15 do salário mais baixo pago pela CGD até que a CGD apure lucros líquidos correspondentes a uma taxa de lucro (ROI) que iguale a taxa de juro mais alta paga na dívida pública portuguesa. Quando e se esse limiar for atingido então o múltiplo poderia aumentar até 20. Em tudo o resto que aplique a lei geral. Para isto não seria precisa comissão de remunerações.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Vejam lá esta vergonha; Reforma-se do privado e vem ganhar cerca 400 mil € para o publico. Afinal qual a diferença entre esquerda e direita? Estes Xuxas e os capangas da giringonça passaram a fronteira da decência para virem anunciarem que não é possível aumentar uns miseres € aos pensionistas.

Francisco António Há 1 semana

Qualquer futebolista do Benfica, Porto ou Sporting recebe esse valor semanalmente ! E farta-se de trabalhar com os pés ! 30000€, dos quais mais de metade desaparecem em impostos e andam o PPCoelho a fazer um chinfrim com o homem da Caixa ?

Anónimo Há 2 semanas


PENSIONISTAS DA FP ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO.


Os descontos efetuados pela FP só permitem pagar metade do valor das pensões.

O resto vem dos impostos pagos por todos os portugueses (ou seja, NÃO é propriedade do pensionista)!

É ROUBADO pelo pensionista.

A PASSOS Há 2 semanas

JÁ COMEÇAM A ROER OS SAPATOS- ESTÁ MAIS QUE VISTO QUE O PAFAS AQUI DE SERVIÇO, PAGO PARA ANDAR NUMA CORRERIA LOUCA POR TODOS OS CANTOS DESTE JORNAL SEMPRE COM AS MESMAS INTRUJICES E A COBERTO DE DIFERENTES NIKS PARA PARECER MUITOS, VAI ARRANJAR NOVO PATRÃO

(O PAFAS É O "MAIS "VOTADO)

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub