Empresas António Saraiva: “não sei de um dia não teremos de fazer uma manifestação”

António Saraiva: “não sei de um dia não teremos de fazer uma manifestação”

O presidente da CIP – Confederação Empresarial de Portugal, avisa que há linhas vermelhas que o Governo não pode ultrapassar se quiser levar a bom porto a concertação social. António Saraiva aponta o banco de horas individual e o aumento dos dias de férias como duas matérias em que a CIP não vai ceder.
Celso Filipe Rosário Lira 02 de Outubro de 2016 às 18:00

"Não sei se um dia não teremos de fazer uma manifestação porque há questões que são da sobrevivência das empresas. Nós estamos a lutar para manter o tecido empresarial vivo", adianta António Saraiva na entrevista "Conversa Capital", uma parceria entre a Antena 1 e o Negócios, que pode ler na íntegra esta segunda-feira, 3 de Outubro.

O líder da CIP lembra que logo depois de tomar posse este Governo tomou decisões como a de mexer nos feriados e em repor as 35 horas na administração pública e diz que os patrões combaterão medidas como aquelas que estão agora a ser referidas.

Apesar destas divergências, António saraiva acredita que é possível um acordo em sede de concertação social e está disposto a discutir o salário mínimo caso o Governo se comprometa a não fazer mais reversões na legislação laboral.

 




A sua opinião29
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado hugovaz 02.10.2016

Ele ainda não percebeu que quem lhe gera o dinheiro, os trabalhadores, estão a sair de Portugal ao milhares, mas o diferente em relação à década de 50 e 60 é que agora é mão de obra qualificada e quadros superiores. Vai ser ele sozinho a trabalhar? Quando tiver em falta pessoas com determinada competência que actualmente existem mas começam a escacear, vai ser ele a aprender num ápice e a arregaçar as mangas? Não me parece... Passos Coelho (e este senhor, em "sede de concertação social") abriu uma caixa de Pandora com as medidas que aplicou que forçou muitos à emigração, mas a caixa já não se fecha pois quem foi para fora agora recruta os colegas com quem já trabalhou em Portugal, aliciando com condições muitíssimo melhores, o "sangrear" dos profissionais em Portugal para fora do país prossegue... ele tem o galinheiro a arder e está preocupado com o alpendre ser pintado de verde ou azul... incompetente!

comentários mais recentes
António Augusto Conceição 02.10.2016

Força gostava de ver devia ser engraçado ver-vos a todos na rua a protestar devia ser rir rir rir á e não se esqueçam do Sonae.

Antonio Marques Santos 02.10.2016

E não se esqueçam de levar as bandeiras negras...

Serip Rotiv 02.10.2016

É que era uma tomatada.... Tadinhos nem o iridoid aliviava das pedradas....

agh 02.10.2016

sim de ferrari kk

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub