Impostos APEMIP: Receita do adicional ao IMI "deve ser diminuta"

APEMIP: Receita do adicional ao IMI "deve ser diminuta"

O presidente da APEMIP previu que a receita do adicional ao Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) deverá ser diminuta e disse que se, "não houver mais asneiras", os investidores estrangeiros vão continuar a apostar em todo o país.
APEMIP: Receita do adicional ao IMI "deve ser diminuta"
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 26 de dezembro de 2016 às 09:21

À agência Lusa, Luís Lima previu que a receita do adicional aplicado a imóveis avaliados por mais de um milhão de euros "deve ser diminuta e as consequências e a imagem podem ser negativas".

 

"Se o Estado não fizer mais asneiras, o investimento estrangeiro vai chegar a cidades como Coimbra, Viseu, Braga, que já está a chegar, ou Aveiro e Guimarães", acrescentou ainda o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), Luís Lima, referindo os casos dos investidores brasileiros que estão a comprar sobretudo na zona Norte "pela relação com a afinidade da origem dos pais ou dos avós".

 

Num diagnóstico ao país, Luís Lima notou que a construção junto de cidades mais pequenas até 2001, destinada ao "crédito de 100%", continua a ser um problema, enquanto nos centros de Lisboa ou Porto "não há activos" suficientes para a procura.

 

"Em algumas zonas de Lisboa e do Porto os preços estão acima do que é razoável", assumiu o responsável, reafirmando ser bom que exista construção em algumas zonas onde a reabilitação não chega e porque os portugueses "precisam de um activo de preço inferior" ao que os estrangeiros estão dispostos a pagar.

 

"O fenómeno dos investidores estrangeiros já existiu em Madrid e Barcelona", disse.

 

Manuel Reis Campos, presidente da Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN), comentou, por seu lado, à Lusa que o sector do imobiliário tem de ser "encarado enquanto vector essencial para a dinamização da economia e do emprego, e não como inesgotável fonte de receitas".

 

Reis Campos acrescentou ainda esperar que haja uma "verdadeira política da habitação, correspondendo a uma visão global e integrada".

 

Analisando a actualidade, o responsável indicou que o interesse dos investidores e a dinâmica do turismo nos centros históricos de Lisboa e do Porto estão a "impulsionar um movimento de reabilitação" e a "alterar um cenário de estagnação e abandono que se arrastava incompreensivelmente há décadas".

 

Mas "este ciclo de investimento ainda está longe de ganhar o dinamismo de que o país precisa", disse.


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 26.12.2016

O SENHOR DA APEMIP, DEVIA ERA FALAR DAS ALTAS TAXAS DE IMI QUE PAGAM OS APARTAMENTOS DOS ARREDORES DAS CIDADES EM RELAÇÃO ÀS VIVENDAS ISOLADAS, ESSAS SIM DEVIAM PAGAR MAIS 50% DO IMPOSTO QUE PAGAM OS APARTAMENTOS, POIS ESTES É QUE ESTÃO A SUSTENTAR AS MORDOMIAS DOS AUTARCAS.

Anónimo 26.12.2016

Brincadeira de fim de ano:acreditar no texto daqui por uns poucachinhos de dias os portugueses viram a NOMADAS.Nao sou especulador nem tenho a minha casota a venda mas se aparecer um comprador sera o momento de deixar definitivamente portugal,ja em pouco ou ate mesmo em nada me revejo como portugues

pub
pub
pub
pub