Saúde Apifarma saúda regularização de dívidas e pede reforço de 360 milhões

Apifarma saúda regularização de dívidas e pede reforço de 360 milhões

A Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma) congratulou-se com o anúncio de regularização das dívidas a fornecedores, no valor de 1,4 mil milhões de euros, e defendeu um reforço no Orçamento do Estado de 360 milhões.
Apifarma saúda regularização de dívidas e pede reforço de 360 milhões
Sara Matos
Lusa 13 de novembro de 2017 às 13:05

O ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes prometeu no Parlamento que irão ser transferidos, até ao final do ano, 1,4 mil milhões de euros para eliminar a dívida do Serviço Nacional de Saúde (SNS) aos fornecedores externos.

 

"Um plano para a regularização, ainda este ano, da dívida aos fornecedores representa um importante passo para a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde e para melhorar o acesso de todos os portugueses aos melhores cuidados de Saúde", afirmou a Apifarma, em reacção ao anúncio feito nas comissões parlamentares de Saúde e Finanças durante a apreciação na especialidade do Orçamento do Estado para 2018.

 

Para a Apifarma, este é um problema que "afecta todos os portugueses", uma vez que uma divida "desta dimensão significa que o Estado não está a investir na saúde e na qualidade de vida dos seus cidadãos".

 

No terceiro trimestre deste ano, os pagamentos em atraso ascendiam a 2.072 milhões de euros.

 

A primeira verba deste montante será transferida até 31 de Dezembro 2017 e através de um reforço de 400 milhões de euros para os hospitais.

 

Para a Apifarma, "a dotação orçamental inscrita na proposta de lei do Orçamento do Estado para 2018 deverá ser majorada, no mínimo, em 360 milhões de euros, de modo a garantir que o aumento nominal do Produto Interno Bruto para 2018 de 3,6%, seja proporcionalmente reflectido na dotação orçamental do Serviço Nacional de Saúde".

 

Em comparação com o Orçamento do Estado para 2018, o orçamento do Serviço Nacional da Saúde (SNS) beneficiará de um aumento com origem nas transferências do Orçamento do Estado de 500 milhões de euros.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub