Economia Após identidade roubada, CEO sueco entrou em falência

Após identidade roubada, CEO sueco entrou em falência

O insólito aconteceu na Suécia, com o CEO da maior empresa da área de segurança sueca a ser declarado falido pelas autoridades depois de um pirata informático ter contraído um empréstimo em nome de Alf Goransson.
Após identidade roubada, CEO sueco entrou em falência
Reuters
Negócios com Bloomberg 12 de julho de 2017 às 10:04

Alf Goransson, CEO da Securitas AB (maior empresa de segurança da Suécia), foi declarado falido pelas autoridades suecas na sequência de um roubo de identidade. Vamos por partes.

Goransson, de 59 anos de idade e líder da Securitas desde 2007, recorreu da decisão de um tribunal de Estocolmo que declarou a sua falência, esperando ver a situação clarificada ainda esta quarta-feira, 12 de Julho.


De acordo com um comunicado divulgado esta manhã pela empresa, a declaração de insolvência feita no passado dia 10 de Julho decorreu de pressupostos errados.

 

Isto porque Alf Goransson foi considerado insolvente depois de um pirata informático ter roubado, em Março, a identidade do CEO da Securitas para contrair um avultado empréstimo, cujo montante não foi revelado. Goransson garante só esta semana ter descoberto que foi alvo de um roubo de identidade.

 

O CEO da Securitas só foi informado desta situação depois de tomada a decisão judicial de o declarar insolvente. O administrador da insolvência já foi informado e irá prestar testemunho favorável no recurso agora apresentado por Alf Goransson.

Este acontecimento levanta dúvidas e preocupações em torno da crescente digitalização dos mais variados serviços, numa altura em que a Suécia, a exemplo da generalidade dos países desenvolvidos, tem vindo a substituir dinheiro vivo por pagamentos digitais. A título de exemplo, no museu sueco Abba não são aceites pagamentos em dinheiro.

 

Esta situação coincide com uma época em que se multiplicam na Suécia os casos de fraudes relacionadas com roubos de identidade. O caso de Goransson é apenas um entre 12.800 casos reportados de roubos de identidade no primeiro semestre deste ano.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 12.07.2017

Casos pontuais de falhas que em breve terão resposta por parte da tecnologia.

comentários mais recentes
Anónimo 12.07.2017

Casos pontuais de falhas que em breve terão resposta por parte da tecnologia.