Impostos Apple: Irlanda acusa Comissão Europeia de ingerência na sua política fiscal

Apple: Irlanda acusa Comissão Europeia de ingerência na sua política fiscal

A Irlanda acusou a Comissão Europeia, que impôs à Apple o reembolso a Dublin de 13 mil milhões de euros em benefícios fiscais, de violar a soberania do país em matéria fiscal.
Apple: Irlanda acusa Comissão Europeia de ingerência na sua política fiscal
Lusa 19 de Dezembro de 2016 às 07:12
"A Comissão ultrapassou os seus poderes e violou a soberania" da Irlanda relacionada com o imposto sobre as sociedades, considerou o Ministério irlandês das Finanças, num texto de apresentação dos seus argumentos neste caso.

A 10 de Novembro, o Governo irlandês recorreu da decisão adoptada em 31 de Agosto pela Comissão Europeia, que impôs à empresa norte-americana o reembolso à Irlanda de mais de 13 mil milhões de euros por "benefícios fiscais indevidos".

"A Comissão não tem a competência, segundo as regras em matéria de ajuda pública, para substituir unilateralmente o seu próprio ponto de vista relacionado com o alcance geográfico da política fiscal de um Estado-membro face a esse próprio Estado-membro", sublinha o texto.

O país dispõe de um imposto sobre as sociedades particularmente baixo, a 12,5%. A Apple beneficiou junto da Comissão Europeia de uma taxa de imposição sobre os seus lucros europeus de apenas 1% em 2003, que diminuiu até 0,005% em 2014.

O Ministério irlandês das Finanças afirma que a Comissão considerou erradamente que a Apple beneficiou de vantagens fiscais.

"A Comissão tenta reescrever a legislação irlandesa relacionada como imposto sobre as sociedades", deplora o Ministério, afirmando ainda que o inquérito do executivo europeu, desencadeado em 2014, ficou assinalado por erros de procedimento.

A Apple é um importante empregador na Irlanda, com 6.000 postos de trabalho em Cork.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
helena costa Há 4 semanas

Coitadinhos dos caloteiros.

pub