Zona Euro Apple já começou a pagar à Irlanda impostos exigidos por Bruxelas

Apple já começou a pagar à Irlanda impostos exigidos por Bruxelas

Bruxelas obrigou a Irlanda a cobrar à Apple 13 mil milhões de euros, devido a ajudas consideradas ilegais. A Irlanda discordou da decisão e recorreu para tribunal. A pressão continuou e o país vê-se obrigado a colectar aquele valor. A Apple já começou a pagar, com o dinheiro a ser depositado numa conta que não é usada.
Apple já começou a pagar à Irlanda impostos exigidos por Bruxelas
Reuters
Sara Antunes 05 de dezembro de 2017 às 18:22

A Apple já começou a pagar o montante exigido por Bruxelas (13 mil milhões de euros), que considerou que a Irlanda concedeu ajudas ilegais à fabricante do iPhone, revelaram esta terça-feira, 5 de Dezembro, as autoridades irlandesas.

 

O dinheiro está a entrar numa conta separada e que não é movimentada. E ali deverá permanecer até que os recursos apresentados pela Irlanda conheçam uma decisão. Isto porque o país discorda da análise feita por Bruxelas, considerando que a Apple não tem de devolver qualquer montante.

 

"Estes valores vão ser colocados num fundo de custódia, com os valores a serem levantados apenas quando houver uma determinação final no Tribunal Europeu sobre a validade da decisão da Comissão", afirmou, citado num comunicado, o Ministério das Finanças irlandês.

 

Um porta-voz da Apple também reagiu, afirmando que a empresa está confiante que o Tribunal Europeu vai reverter a decisão da Comissão. "O caso da Comissão contra a Irlanda nunca foi sobre quanto a Apple paga de impostos, mas sobre que governo fica com o dinheiro", acusa o porta-voz da Apple.

 

Em causa está um processo iniciado em 2014. Na altura, foram realizadas investigações, que levaram a Comissão Europeia a concluir, em 2016, que dois acordos fiscais estabelecidos com as autoridades irlandesas permitiram à Apple reduzir de forma "substancial e artificial" os impostos pagos no país desde 1991.

 

Tanto a Irlanda como a própria Apple recorreram da decisão, com a empresa liderada por Tim Cook a considerar mesmo que "a Comissão excedeu os seus poderes e "violou a segurança jurídica, ordenando a recuperação ao abrigo de uma interpretação imprevista da lei das ajudas estatais".

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pedro Há 1 semana

A Apple e outras multinacionais americanas conhecidas de todos andam a fazer concorrência desleal com as empresas europeias com a conivência das instituições europeias que deveriam fiscalizar este tipo de situações.
Enquanto a comum empresa europeia paga 20 a 25% de IRC a Apple não chega a 1%.

Anónimo Há 1 semana

Os consumidores pagam os produtos ao preço calculado com todos os impostos incluídos. No final os lobys junto dos políticos obtêm "borlas" desta envergadura... só assim se compreende os bónus e as loucuras dos gastos destas empresas, veja-se a nova sede da Apple ou a recompra de acções próprias.

pub