Economia APRe! considera proposta da ADSE "discriminatória"

APRe! considera proposta da ADSE "discriminatória"

Em causa está o facto de a ADSE querer impor um limite de idade às inscrições de cônjuges, excluindo os idosos. A APRe! defende que a ADSE não deve ter critérios semelhantes aos das empresas privadas de seguros.
APRe! considera proposta da ADSE "discriminatória"
Bruno Colaço/Correio da Manhã
Catarina Almeida Pereira 09 de Janeiro de 2017 às 22:43
A intenção de definir uma idade limite para a inscrição dos cônjuges dos beneficiários, defendida pela ADSE é, na opinião da associação de reformados APRe!, "discriminatória".

O limite que consta da proposta feita pela ADSE à tutela é justificada com a necessidade de garantir o equilíbrio de contas. 

Isto porque de acordo com o director-geral da ADSE, Carlos Liberato Baptista, que se vai manter nestas funções até que sejam nomeados os novos dirigentes, os beneficiários que têm entre 70 e 80 anos custam em média o dobro, em termos de despesa.

"A exclusão dos escalões etários mais elevados por serem 'os que mais pesam' sugere-nos um tratamento paritário ao utilizado pelas empresas privadas de seguros (aumentando-lhes o prémio de seguro) o que não é, naturalmente, a essência da ADSE", refere a associação de pensionistas e reformados, em comunicado.

"Tendo em conta que nos últimos anos a ADSE tem gerado avultadas quantias excedentárias, parece-nos exigível ultrapassar uma visão de um organismo que, apesar de estar a dias de se tornar num Instituto Público, não deixa de ter um carácter de protecção e promoção da saúde com responsabilidades do Estado", acrescenta a direcção da APRe!

A associação alega que o equilíbrio de contas não está em causa porque a inscrição dos cônjuges vai exigir um desconto adicional ao que já efectuam.

De acordo com o director-geral há três limites possíveis de idade: 60 anos, 65 anos (tal como já admitido no ano passado) ou 66 anos.

Os beneficiários titulares descontam 3,5%, mas de acordo com o director-geral a proposta que seguiu para a tutela contempla três cenários para o custo do desconto dos cônjuges, com diferentes factores de ponderação, incluindo a idade e o rendimento do agregado familiar.

Em todo o caso, sintetizou Carlos Liberato Baptista, numa entrevista publicada esta segunda-feira pelo Negócios, as três propostas oscilam entre um desconto de 2,2% e 2,7%, com o limite mínimo de 40 euros e máximo de 180 euros.

Esta segunda-feira foi publicado o diploma que transforma a ADSE num instituto público, com efeitos retroactivos a 1 de Janeiro. Do Conselho Geral de Supervisão farão parte, entre outros representantes dos beneficiários, dois representantes das associações de reformados.

Este órgão, que escolherá um dos três dirigentes do Instituto (sendo os restantes nomeados pelo governo) terá uma palavra a dizer sobre as principais mudanças mas não terá direito de veto. Em todo o caso, devido à pressão pública que o novo órgão fará, a ideia será "criar consensos".





A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado soros-bq Há 1 semana

Discriminatório é existir a ADSE, sustentada pelos impostos de todos os contribuintes. O sistema de saúde deveria ser único e igual para todos os portugueses, para não continuar a haver os portugueses de primeira (funcionários públicos) com todas as mordomias, e portugueses de segunda, onde se incluem todos os outros portugueses…
É este o Portugal que tanto pregam com o 25 de Abril? Bardamerd@ pró 25 de Abril, que só veio dar regalias insustentáveis a ½ dúzia que são sustentada pelo trabalho dos restantes portugueses e pelo endividamento das gerações futuras…

comentários mais recentes
soros-bq Há 1 semana

Discriminatório é existir a ADSE, sustentada pelos impostos de todos os contribuintes. O sistema de saúde deveria ser único e igual para todos os portugueses, para não continuar a haver os portugueses de primeira (funcionários públicos) com todas as mordomias, e portugueses de segunda, onde se incluem todos os outros portugueses…
É este o Portugal que tanto pregam com o 25 de Abril? Bardamerd@ pró 25 de Abril, que só veio dar regalias insustentáveis a ½ dúzia que são sustentada pelo trabalho dos restantes portugueses e pelo endividamento das gerações futuras…

alberto9 Há 1 semana

Apesar da ADSE ter um caracter distinto dos seguros privados, não pode, nem deve integrar pessoas que não foram contribuintes para o sistema de saude enquanto trabalhadores, senão o sistema corre o risco de não ser sustentável. Isto é muito facilmente compreensível, a lógica deste sistema é redistributivo, as pessoas mais novas como têm menos custos, financiam as mais velhas que têm em regra mais custos. Se colocarem de repente muitas pessoas idosas que não contribuiram enquanto novas para o sistema só irão introduzir despesa e vão sobrecarregar o sistema o que é extremamente injusto para os contribuintes mais novos e pode levar à instinção da instituição.

fpublico condenado a 48 anos trabalhoc/ 43 imposto Há 1 semana

discriminação, DISCRIMINATORIA, É UM GAJO TER DE TRABALHAR 48 ANOS PARA SUSTENTAR XULOS, OPORTUNISTAS, VIGARISTAS E PESSOAL QUE NADA DESCONTA E QUE PASSAM DIAS A BRINCAR.LEI DE APOSENTAÇÃO DO TEMPO DA DITADURA FOI APLICADA AOS MILITARES, POLICIAS E GNR. FICAM VELHINHOS AOS 60 ANOS E S/TESÃO PRA TRAB

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub