Função Pública Aprovado aumento do subsídio de refeição na Função Pública

Aprovado aumento do subsídio de refeição na Função Pública

O Parlamento aprovou também uma proposta do PCP para a reposição da contratação colectiva, com os votos favoráveis dos comunistas, do PS e do Bloco e a abstenção do PSD e do CDS-PP.
Aprovado aumento do subsídio de refeição na Função Pública
Lusa 24 de Novembro de 2016 às 17:47
O parlamento aprovou esta quinta-feira, 24 de Novembro, um aumento do subsídio de refeição da Função Pública em 0,25 euros em Janeiro e do mesmo montante em Agosto, bem como a reposição dos instrumentos de contratação colectiva nas empresas do Estado.

Com os votos favoráveis do PS, PCP e Bloco de Esquerda e contra do PSD e do CDS-PP, foi aprovada uma proposta de alteração socialista para o aumento do valor do subsídio de refeição da Função Pública em dois momentos no próximo ano: para 4,52 euros a partir de 1 de Janeiro (mais 0,25 euros) e para 4,77 euros (mais 0,25 euros) a partir de 1 de Agosto.

De fora deste aumento ficam os trabalhadores do sector empresarial do Estado, aos quais será "aplicável o disposto em instrumentos de regulamentação colectiva do trabalho, quando existam, em matéria de subsídio de refeição, trabalho extraordinário ou suplementar e trabalho nocturno".

O Parlamento aprovou também uma proposta do PCP para a reposição da contratação colectiva, com os votos favoráveis dos comunistas, do PS e do Bloco e a abstenção do PSD e do CDS-PP.

Assim, é retomada a aplicação dos instrumentos de regulamentação colectiva do trabalho existentes no sector público empresarial.

Os deputados deram início, esta tarde, à votação artigo a artigo da proposta de Orçamento do Estado para 2017 (OE2017), bem como das cerca de 400 propostas de alteração apresentadas pelos partidos.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub