Mundo Arábia Saudita reiterou compromisso de pagar salários atrasados a portugueses

Arábia Saudita reiterou compromisso de pagar salários atrasados a portugueses

  O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas disse hoje que o Governo da Arábia Saudita reiterou, esta quinta-feira, o seu compromisso de pagar os salários, atrasados há mais de um ano, a 86 trabalhadores portugueses.  
Arábia Saudita reiterou compromisso de pagar salários atrasados a portugueses
CM
Lusa 20 de janeiro de 2017 às 13:59

José Luís Carneiro afirmou que o embaixador português em Riade foi recebido esta quinta-feira pelo novo ministro do Trabalho saudita, que "reassumiu o compromisso de pagar" os salários em atraso há mais de um ano aos 86 portugueses que trabalhavam para a construtora Saudi Oger, num valor total de 5,7 milhões de euros.

 

"O Estado saudita disse que remuneraria os trabalhadores e procederia depois a um diálogo com a empresa" para ser ressarcido deste valor, esclareceu o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, numa resposta à deputada do Bloco de Esquerda Domicília Costa, durante uma audição na comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas.

 

Esta garantia já tinha sido dada, no ano passado, ao Governo português pelas autoridades sauditas, mas entretanto o executivo de Riade mudou o ministro do Trabalho, que era quem conduzia o processo.

 

Carneiro reconheceu que esta é uma "matéria sensível" por se tratar de uma empresa privada.

 

Num contacto com a Lusa em Setembro, alguns dos trabalhadores relataram estar "em desespero", numa "situação muitíssimo complicada, sem dinheiro, sem seguros de saúde ou assistência médica e sem condições de alojamento".

 

Hoje, o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas disse que o Governo recebeu pedidos de apoio por parte de duas famílias, e que o processo foi articulado com a Segurança Social.

 

A Saudi Oger, uma das maiores empresas de construção sauditas, que chegou a empregar 24.000 pessoas, viu a sua situação financeira deteriorar-se depois de o governo saudita, ante a acentuada quebra nas receitas do petróleo, adoptar um plano de redução da despesa que levou ao cancelamento de dezenas de obras públicas e ao adiamento de pagamentos às construtoras.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub