Justiça Armando Vara já pode contactar com arguidos e sair do país

Armando Vara já pode contactar com arguidos e sair do país

O ex-ministro socialista Armando Vara, arguido na operação Marquês, deixou de estar proibido de contactar com os outros arguidos e de se ausentar do país, disse hoje à agência Lusa o seu advogado.
Armando Vara já pode contactar com arguidos e sair do país
Pedro Aperta
Lusa 12 de Novembro de 2016 às 19:31

Tiago Rodrigues Bastos adiantou que estas duas medidas de coação deixaram de se aplicar porque caducou o prazo de um ano para o Ministério Público deduzir a acusação.

Segundo o advogado, a proibição de manter contactos com outros arguidos e de se ausentar do país tinham o prazo de um ano, tendo uma terminado em julho e outra no início de outubro.

 

Armando Vara, indiciado pelos crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção passiva no âmbito da operação Marquês, mantém a caução de 300.000 euros, quantia que foi obrigado a depositar quando, em outubro de 2015, deixou de estar em prisão domiciliária com pulseira eletrónica.

 

O advogado do antigo ministro socialista disse ainda que está a avaliar se vai recorrer da caução, uma vez que não faz qualquer sentido, tendo em conta que foi aplicada para garantir o cumprimento das outras duas medidas de coação, que agora deixaram de existir.

Armando Vara foi detido a 09 de julho de 2015 e esteve em prisão domiciliária com pulseira eletrónica até 08 de outubro do ano passado.

 

A Operação Marquês conta com 18 arguidos, incluindo o ex-primeiro ministro José Sócrates, que esteve preso preventivamente mais de nove meses, e que está indiciado por fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção passiva para ato ilícito.

 

Entre os arguidos no processo estão a filha de Armando Vara Bárbara Vara, Carlos Santos Silva, empresário e amigo do ex-primeiro-ministro, Joaquim Barroca, empresário do grupo Lena, João Perna, antigo motorista do ex-líder do PS, Paulo Lalanda de Castro, do grupo Octapharma, Inês do Rosário, mulher de Carlos Santos Silva, o advogado Gonçalo Trindade Ferreira e os empresários Diogo Gaspar Ferreira e Rui Mão de Ferro e o empresário luso-angolano Helder Bataglia.

 

A notícia do levantamento das medidas de coação imposta pelo tribunal de instância a Armanda Vara foi avançada pelo Diário de Notícias.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 2 semanas

GRANDE ESTUPOR

IGUAL AO MENTOR PINÓQUIO

Pedro Lima Há 2 semanas

Este verme deveria estar preso e por muitos anos. Palhaço corrupto!

jonebegood Há 2 semanas

o problema é que controlam a justiça e o resto estes politícos oportunistas deram cabo da reputação da classe politíca não há um em que a gente não desconfie e o problema é a falta de meios para combater estes crimes é preciso meios humanos e financeiros e nisso somos pobres, que indignação total..

Anónimo Há 3 semanas

a corrupção em Portugal anda de mão dada com a política

ver mais comentários
pub