Política Arménio Carlos: Governo tem de revelar se há "acordos secretos" sobre lei laboral

Arménio Carlos: Governo tem de revelar se há "acordos secretos" sobre lei laboral

Arménio Carlos afirma que o Governo tem de esclarecer se houve ou não um acordo "secreto" ou de "cavalheiros" para travar mudanças à lei laboral este ano, tal como pediam os patrões.
A carregar o vídeo ...

Podem os entendimentos em concertação social travar alterações à legislação laboral este ano? O Governo tem de clarificar se houve ou não "acordos secretos" ou "de cavalheiros" nesse sentido, afirma Arménio Carlos, em entrevista ao Negócios e à Antena 1.

Questionado sobre as declarações de João Vieira Lopes, que afirmou há duas semanas que não é previsível que haja "grandes alterações" à lei laboral ao longo deste ano, Arménio Carlos afirma que essa questão tem de ser esclarecida.

"Se há algum acordo o Governo e as confederações patronais que o digam: fizemos um acordo de cavalheiros que não mexe na legislação laboral. E a partir daí a conversa passa a ser outra", afirmou, no programa Conversa Capital.

Depois de ter defendido que os acordos assinados entre o PS e o PCP, Bloco de Esquerda e Os Verdes estão "praticamente esgotados" e que devem ser negociadas novas matérias sobre legislação laboral, o secretário-geral da CGTP e membro do comité central do PCP defende que devem ser encontrados compromissos sobre contratação colectiva no Parlamento antes da discussão em concertação social.

"Na concertação social já percebemos que as confederações patronais vão procurar ao máximo evitar qualquer alteração", disse. "O que vamos ter é a necessidade de o Governo perceber que esta situação não se pode manter e procurar encontrar soluções na Assembleia da República e reforçar um pouco mais a sua intervenção na concertação social para que não se deixe ficar refém, neste caso em concreto, das confederações patronais", acrescentou.

 

O que o documento que foi alvo de um entendimento em concertação social prevê, na sua versão de Dezembro, é que este ano sirva essencialmente para "discutir".

"Discutir durante o ano de 2017, na sequência do Livro Verde das Relações Laborais, que o Governo se compromete a apresentar em Janeiro de 2017, uma avaliação integrada e partilhada do quadro laboral, com vista à celebração de um acordo subsequente que inclua estas matérias", lê-se no documento.

Em meados de Dezembro, quando o acordo entre Governo, UGT e patrões ainda estava a ser negociado, o jornal i noticiou que as propostas de reversão das medidas da troika que estavam a ser apresentadas por PCP e BE seriam chumbadas por causa das negociações para o acordo.

Essa era uma das principais reivindicações das confederações patronais, tal como explicou António Saraiva, da CIP, em Outubro.

Há duas semanas, as propostas para o aumento ou reposição de 25 dias de férias foram chumbadas no Parlamento. O Governo tem dito que não aprova estas medidas porque não constam do Programa do Governo.

A entrevista a Arménio Carlos feita no programa Conversa Capital será publicada pelo Negócios na íntegra esta segunda-feira, 6 de Fevereiro.




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
joaoaviador Há 2 semanas

O homem do comité central já manda mesmo nisto tudo e a malta, como sempre, vai deixando andar.

Anónimo Há 2 semanas

Este "cavalheiro" dá-me nojo. É uma correia transmissora do PCP. Ilude os trabalhadores com reivindicações impossíveis de alcançar. Gostava de saber o que é que ele fez de positivo e de criativo na vida dele. Nunca se viu estas ligaçoes tao proximas entre um partido politico e uma centrale sindical

Anónimo Há 2 semanas

Este sugador de ilusões nos trabalhadores pensa que Portugal é o paraíso na Terra. Que se deixe de ameaças com os funcionários públicos, porque são eles que entram com milhões na CGTP e não querem sofrer mais como no passado.

jj Há 2 semanas

Mais um dinossauro ao serviço do PCP fora de serviço ...essa central sindical não passa de um capacho do partido comunista e pelos vistos como lacaio que é o electricista já perdeu a influencia porque o seu amo Jerónimo vendeu se ao Costa ...de resto essa organização só serve para engordar os seus.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub