Economia As notícias mais lidas em 2017

As notícias mais lidas em 2017

O Negócios fez uma compilação das notícias mais lidas durante o ano. Reveja as 10 peças que geraram maior procura por parte dos leitores.
As notícias mais lidas em 2017
Miguel Baltazar
Negócios 31 de dezembro de 2017 às 14:00

1. Virgolino Faneca lança o alerta: há uma epidemia grave na Comporta
Virgolino Faneca detectou a existência na Comporta de uma epidemia que provoca graves perturbações nos humanos. E pede ajuda ao doutor George, o único capaz de pôr cobro a esta calamidade.


2. No cofre português do Carregado há 176 toneladas de ouro e muitas paletes de notas

No dia em que se estreou a nova nota de 50, o Banco de Portugal entreabriu as portas do Complexo do Carregado, o edifício de alta segurança onde se fazem notas e se guarda parte do ouro do país.

3. Onde estavam há 20 anos estas personalidades?

Em 2017 são presença frequente na comunicação social. Muitos já tinham notoriedade há 20 anos e foram-na mantendo até aos dia de hoje, embora ocupando lugares diferentes. Outros eram ilustres desconhecidos. Fomos saber o que estavam a fazer em 1997, ano em que o Negócios nasceu na internet.

4. O que fazer quando alguém lhe exige uma fotocópia do seu cartão de cidadão?

Já é proibido por lei e vai passar a ser punido com uma coima que pode ir até aos 750 euros. No entanto, pedir uma fotocópia do documento de identificação é uma rotina em inúmeros serviços públicos e privados. O que fazer nestes casos? Dar ou recusar?

5. Hugo O'Neill: "Esta bolha é pior do que 2008. E pode rebentar hoje"

O Negócios foi ouvir a história da pessoa que há mais tempo exerce a profissão de consultor de investimento em Portugal. A experiência de Hugo O’Neill leva-o a afirmar com certeza que o colapso dos mercados está para breve. O "trader" contou as suas vitórias e falhanços e ainda teve tempo para deixar umas dicas de investimento.

6. As profissões vão acabar! Invista num mapa de competências 

Hoje deveremos educar e formar jovens e pessoas não para exercer uma profissão, mas sim para as dotar de um mapa de competências transversais.

7. Davam a mãe para serem filhos do CR7

As "barregãs" que viam o filho reconhecido pelo rei, eram recompensadas "pelo uso do seu corpo" (a expressão é mesmo esta), e os infantes criados na corte, educados com todos os privilégios que o divino sangue paterno ditava. Soa familiar?

8. Forbes: Três portugueses entre os mais ricos do mundo

A lista Forbes dos mais ricos do mundo continua a contar com três portugueses. Este ano, a presença de Portugal na lista aumentou, com um nome de um estrangeiro que vive em território nacional.

9. Um guia para a época de dividendos

Já arrancou a época de pagamento de dividendos. O Negócios preparou um guia para estar informado sobre o assunto. Calcule a remuneração da sua carteira, conheça as datas de pagamento e as melhores tácticas para caçar dividendos.

 

10. As mensagens que 13 empresas do PSI-20 estão a passar aos investidores

O CaixaBank BPI juntou empresas com potenciais investidores para as cotadas apresentarem as suas perspectivas de negócio. Conheça as mensagens que 13 cotadas nacionais transmitiram aos investidores.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 31.12.2017

Gostei desta. Mas foi pouco, muito pouco, e tarde, muito tarde. https://www.dn.pt/dinheiro/interior/2017-o-ano-em-que-os-bancos-despediram-4000-trabalhadores-9016957.html

comentários mais recentes
Anónimo 31.12.2017

Numa das suas rondas de despedimento de colaboradores excedentários, o Deutsche Bank em reestruturação decidiu fechar 200 agências só na Alemanha e despedir também naquele país 4000 excedentários. A nível internacional os números do encerramento de agências e do despedimento de colaboradores excedentários foram ainda mais elevados, obviamente - 35 mil postos de trabalho cortados em 2 anos, entre 2015 e 2017. ("The bank will close 200 branches in Germany -- with the loss of 4,000 jobs" http://money.cnn.com/2015/10/29/investing/deutsche-bank-job-losses/).

Anónimo 31.12.2017

O Jornal de Negócios, enquanto órgão de informação económica com notabilidade a nível nacional, que insista na pedagogia e no esclarecimento cabal em relação ás inevitáveis transformações urgentes que se impõem nas economias mais avançadas, às quais a portuguesa, por mais capturada e mal orientada que se afigure, não estará imune se quiser permanecer no chamado Primeiro Mundo. Na Holanda as organizações não dão guarida ao excedentarismo sindicalizado de carreira que atrasa o mais económico e eficiente progresso tecnológico, obstaculiza a justiça social, impede a sustentabilidade do Estado e enfraquece a economia por via do entorpecimento do empreendedorismo, do investimento reprodutivo e da capacidade de inovação. "Fewer people and more technology – that is the plan just announced by ING. The largest financial services company in the Netherlands is getting rid of 7,000 positions." http://www.euronews.com/2016/10/03/netherlands-bank-ing-to-cut-7000-jobs-in-digital-quest

Antonio Jose Seguro 31.12.2017

Mas a PORRA da AUSTERIDADE NÃO TINHA ACABADO ?
Mas a PORRA da AUSTERIDADE NÃO TINHA ACABADO ?
Mas a PORRA da AUSTERIDADE NÃO TINHA ACABADO ?
Mas a PORRA da AUSTERIDADE NÃO TINHA ACABADO ?
Mas a PORRA da AUSTERIDADE NÃO TINHA ACABADO ?
Mas a PORRA da AUSTERIDADE NÃO TINHA ACABADO ?

Anónimo 31.12.2017

E o Jornal de Negócios deixou passar em branco os 6000 despedimentos anunciados pelo banco Nordea da Escandinávia, esse lugar "socialista" defensor do sindicalismo marxista, da ditadura do proletariado, e do trabalho excedentário para a vida a qualquer custo? Aqui fica mais uma ajudinha pro bono publico... e já agora, contratem mais e melhores freelancers disponíveis no mercado. https://www.bloomberg.com/news/articles/2017-12-01/nordea-bank-s-6-000-job-cuts-are-just-the-beginning-union-says

ver mais comentários