Política Assembleia Constituinte ameaça oposição venezuelana com "imposição da justiça"

Assembleia Constituinte ameaça oposição venezuelana com "imposição da justiça"

A presidente da nova Assembleia Constituinte da Venezuela (AC), Delcy Rodríguez, instou hoje a oposição a "tomar o caminho democrático e de acção política" advertindo que caso contrário "se imporá justiça" num país, que "não voltará ao passado".
Assembleia Constituinte ameaça oposição venezuelana com "imposição da justiça"
Reuters
Lusa 04 de agosto de 2017 às 20:07

Na sua intervenção, na sessão inaugural da controversa Assembleia Constituinte, Delcy Rodríguez (na foto) interpelou a comunidade internacional sobre a posição que tem tido face à AC e instou a "não se enganar com a Venezuela", vincando que são os venezuelanos quem têm de resolver as suas diferenças.

 

"À comunidade internacional, não se equivoquem com a Venezuela. A mensagem é clara. Nós, venezuelanos resolveremos os nossos conflitos, as nossas crises, entre venezuelanos, sem nenhum tipo de interferência estrangeira, sem nenhum tipo de mandado imperial", disse.

 

"Aos aliados históricos da direita e da burguesia local, dizemos-lhe ser hora de começarem a ver o povo da Venezuela (...) esta Constituinte se encarregará de fazer-lhes entender de que são feitos os venezuelanos", frisou.

 

Delcy Rodríguez iniciou a sua intervenção salientando que a chegada da AC se traduz no exercício do poder "soberano e plenipotenciário". "Chegámos para sarar a Venezuela das feridas da guerra económica. Não haverá mais um instrumento que facilite a agressão multiforme à nossa economia. Estamos no poder e temos o poder para combater a guerra económica", garantiu.

 

Delcy Rodríguez disse ainda que a primeira sessão da nova AC se realiza sábado, pelas 11:00 locais (16:00 em Lisboa), para a "renovação constitucional e o entendimento nacional".

 

A eleição da Assembleia, no passado domingo, foi boicotada pela oposição, que a considera ilegítima.

 

A vaga de contestação contra o governo de Maduro começou em Abril passado e desde então mais de 120 pessoas perderam a vida. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
bruno 08.08.2017

caro jose Agostinho, nostros portugeses de portugal estamos cagando para la ditadura que si está instalando en Venezuela. Aquí en Portugal, tenemos mujeres bonitas, tiempo maravilloso y muchas comida (buena).. Los portuguese de Venezuela, que vuelvan rapidamente antes dela guerra civil empezar..

jose Agostinho Fernanded 05.08.2017

En la prensa portuguesa se abla mucho de ayudar la comunidad portuguesa en Venezuela ,pero que pasaria si se produce un retorno massivo a Portugal ,y sobretodo a Madeira ? Estarian dispuestos a recibir y ayudar realmente a los retornados? Sabemos que en Madeira las fuenten de trabajo son escasas .Ha

Jose Agostinho Fernandes. 05.08.2017

Acaso es malo aplicar la justicia ?

pub
pub
pub
pub