IMI Associação de proprietários vende ajudas para poupar no adicional ao IMI
IMI

Associação de proprietários vende ajudas para poupar no adicional ao IMI

A Associação Lisbonense de Proprietários lançou um serviço que garante poupanças de centenas ou milhares de euros por um custo simbólico, noticia o jornal Público esta sexta-feira, 17 de Fevereiro.
Associação de proprietários vende ajudas para poupar no adicional ao IMI
Negócios 17 de fevereiro de 2017 às 09:42

Poupar no imposto em 2017 e evitá-lo ou reduzi-lo em 2018. Eis, segundo o jornal Público, alguns dos serviços anunciados pela Associação Lisbonense de Proprietários (ALP) que acaba de lançar um novo aconselhamento fiscal para os seus associados direccionado para o novo adicional ao IMI (AIMI), criado pelo último Orçamento do Estado e que este ano será pago pela primeira vez. 

 

O serviço de aconselhamento terá um custo simbólico e, diz o jornal, que cita uma newsletter da associação, pode permitir a poupança de "centenas ou milhares de euros".

 

O AIMI, recorde-se, incide sobre prédios urbanos de habitação e terrenos para construção de valor patrimonial tributário superior a 600 mil euros. Tem várias regras específicas, nomeadamente para casais ou para heranças indivisas que obrigam os contribuintes a intervir junto do Fisco e é nesse campo que a ALP se dispõe a ajudar.

 

Relativamente a 2018 são sugeridas algumas possibilidades de poupar no imposto, nomeadamente a realização de obras de reabilitação, que têm vantagens fiscais, ou a própria reavaliação da carteira de activos dos proprietários.  A hipótese de doação de uma parte do património aos filhos para reduzir o total do valor patrimonial tribiutário é também apontada como uma hipóteses, sendo que, no entanto, implicará o pagamento de imposto do selo. A ALP sugere ainda um pedido de reavaliação ao Fisco, caso o coeficiente de vetustez (relacionado com a idade dos imóveis) se tenha alterado desde a última avaliação. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub