Política Assunção Cristas defende que "o défice não é tudo, não vale tudo"

Assunção Cristas defende que "o défice não é tudo, não vale tudo"

  A presidente do CDS-PP acusou hoje o Governo de aplicar uma política de austeridade que põe em causa os serviços públicos de saúde, educação e transportes, e defendeu que "o défice não é tudo, não vale tudo".
Assunção Cristas defende que "o défice não é tudo, não vale tudo"
Bruno Simão/Negócios
Lusa 18 de abril de 2017 às 19:33

Assunção Cristas falava em declarações aos jornalistas, no Palácio de Belém, em Lisboa, após um encontro do CDS-PP com Presidente da República sobre o Programa de Estabilidade e o Programa Nacional de Reformas do Governo.

 

"O défice não é tudo, não vale tudo, é preciso olhar para a qualidade desse défice", declarou a ex-ministra da Agricultura e do Mar.

 

A presidente do CDS-PP considerou que o Governo apresenta uma perspectiva de crescimento insuficiente - "basta lembrar que a nossa vizinha Espanha cresce a 3,5%, e que aquilo que está previsto no Programa de Estabilidade é um crescimento de 1,8%", referiu - e que "a dívida pública é outro indicador negativo".

 

"Obviamente que cumprir metas do défice é positivo. A questão é saber como é que elas são cumpridas e qual a qualidade da composição desse mesmo défice. E aquilo que temos visto até agora é que o défice tem sido alcançado à conta de austeridade", sustentou.

 

Segundo Assunção Cristas, a "austeridade" aplicada pelo Governo desdobra-se em "impostos indirectos, manutenção de uma elevada carga fiscal", e num "corte brutal no investimento público, que muitas vezes penaliza áreas muito relevantes da governação, nomeadamente na qualidade dos serviços públicos, da saúde às escolas, aos transportes públicos".

 

"São cativações cegas, brutais, cortes que não atendem à qualidade e à urgência da despesa", acusou, alegando que, depois, o Governo "vai apagando os fogos, vai às situações de emergência".

 

O CDS-PP defende um "compromisso com metas", mas "alcançado com um crescimento sustentável da economia portuguesa", que preserve "a qualidade da prestação dos serviços públicos", acrescentou a ex-ministra.

 

"O que vemos é uma degradação do serviço público de saúde, uma degradação das escolas, uma degradação dos transportes, uma degradação na área da segurança, onde falta dinheiro para tudo", reforçou.

 

Assunção Cristas salientou que o CDS-PP apresentou no parlamento um projecto de resolução para que o Governo leve a votos o Programa de Estabilidade e o Programa Nacional de Reformas, e outro que contém "na ordem da centena de propostas alternativas" àqueles dois documentos.

 

"A nossa proposta vai no sentido de garantir que o país se torna mais competitivo, mais capaz de atrair investimento directo estrangeiro, mais capaz de aproveitar e de potenciar a vocação exportadora das nossas empresas, e que no fundo sai deste marasmo que é um crescimento económico pequeno, pouco, para aquilo que são as necessidades e as ambições de Portugal", disse.

 

De acordo com Assunção Cristas, a votação desses projectos de resolução vai deixar "claro, transparente, cristalino" que este é "um Governo das esquerdas unidas", ao qual o CDS-PP é oposição.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 19.04.2017

É preciso ter muita lata! fez parte de um governo que aplicou a palavra défice dezenas de vezes ao dia e vem agora com esta conversa. Vá chamar estúpidos à ...

Anónimo 18.04.2017

A senhora Cristas percebe alguma coisa de economia, para dizer que o défice não é tudo, não vale tudo, porquê?
Isso serve de argumento para poder ganhar a Câmara de Lisboa? Há minha custa, garanto-lhe que não ganhava!

Conselheiro de Trump 18.04.2017

Cada vez percebo menos.Porque ha-de atacar a obsessao do mimico aritmetico,em vez de atacar a divida publica que galga mais que um ladrao a fugir dum policia.

Desanimado 18.04.2017

Ahahahahahahahahahahahhahahahhahahahahhahahahahahahahhhahaahahahahahahahahahahahahahahhahahaahahahahhahahahahah...esta malta é demais!!!

pub
pub
pub
pub