Economia Audição da ministra do Mar na AR sobre sardinha aprovada por unanimidade

Audição da ministra do Mar na AR sobre sardinha aprovada por unanimidade

O requerimento para a audição da ministra do Mar, proposto pelo PCP, na sequência da proposta de captura da sardinha em 2018, foi hoje aprovado.
Audição da ministra do Mar na AR sobre sardinha aprovada por unanimidade
Pedro Noel da Luz/Correio da Manhã
Lusa 20 de dezembro de 2017 às 20:45

A discussão e votação foi hoje realizada pela Comissão de Agricultura e Mar, que aprovou por unanimidade o requerimento do partido comunista. A comissão vai agora proceder ao contacto com Ana Paula Vitorino para, posteriormente, ser agendada uma data para a audição.

 

No dia 11 de Dezembro, a ministra do Mar disse que a pesca da sardinha vai começar mais tarde e de uma forma mais comedida, estando, definitivamente, afastado um cenário de paragem total.

 

"Afastámos definitivamente o cenário de acabar com a pesca" da sardinha, disse, na altura, Ana Paula Vitorino, sublinhando que houve um acordo para que seja feita de modo controlado e sustentado.

 

A ministra, que falava aos jornalistas após uma reunião trilateral com a sua homóloga espanhola, o comissário europeu para o sector e o director-geral das Pescas da Comissão Europeia, sublinhou que ficou acordado entre as duas capitais - e com o aval de Bruxelas - que a campanha da sardinha começará um mês mais tarde", no início de maio.

 

De acordo com o parecer científico do ICES, divulgado no dia 20 de Outubro, o 'stock' de sardinha tem vindo a decrescer de 106 mil toneladas em 2006 para 22 mil em 2016, por isso, recomenda que, em 2018, seja suspensa a captura deste peixe.

 

Contudo, aponta para vários cenários de capturas, estabelecendo como limite 24.650 toneladas.

 

Já em 2016, o organismo científico recomendava que Portugal devia parar por completo a pesca da sardinha durante um período mínimo de 15 anos, para que o 'stock' de sardinha regresse a níveis aceitáveis.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub