Conjuntura Aumento dos custos de construção de casas volta a abrandar em Junho

Aumento dos custos de construção de casas volta a abrandar em Junho

Embora a subida dos custos de construção esteja em desaceleração, penalizada pelos preços dos materiais, os custos de manutenção e reparação continuam a aumentar, em particular na região de Lisboa.
Aumento dos custos de construção de casas volta a abrandar em Junho
Bruno Simão/Negócios
Paulo Zacarias Gomes 08 de agosto de 2017 às 11:50

O custo de construção de casas novas em Portugal registou em Junho uma variação homóloga de 1,5% para 139,12 pontos, na taxa de crescimento mais baixa em oito meses (desde Outubro de 2016) e desacelerando pelo terceiro mês consecutivo.

Em relação ao mês anterior, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgados esta terça-feira, 8 de Agosto, a taxa de crescimento representa um recuo de 0,2 pontos percentuais (tinha sido de 1,7% em Maio).

A contribuir para este abrandamento esteve, segundo o instituto, uma queda de 0,5 pontos percentuais na evolução dos preços dos materiais, que em Junho ficou em 0,7%, no terceiro mês de arrefecimento desta componente. Já o preço da mão-de-obra manteve o mesmo ritmo de crescimento, de 2,1% em termos homólogos.

O abrandamento repete-se nos índices relativos a apartamentos e moradias, onde os índices de preços de construção de novas habitações destas tipologias aumentaram em termos homólogos 1,5% (contra subidas em Maio de 1,7% e 1,8%, respectivamente).


A tendência contrária é observada no caso dos custos de manutenção e reparação, que continuam em crescimento, subindo 2,8% em termos homólogos em Junho para 153,03 pontos.

Por regiões, é no Algarve e no Norte que se encontram os valores mais elevados para o índice em Junho, verificando-se no entanto em Lisboa a maior subida homóloga, de 4,6%

Os dados têm o 2000 como o ano base, em que a série dos índices de preços de construção e manutenção e reparação arranca a valer 100 pontos.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub