Defesa Austrália assina acordo com França para a compra de 12 submarinos

Austrália assina acordo com França para a compra de 12 submarinos

A construção dos submarinos vai começar em 2022 nos estaleiros da cidade australiana de Adelaide e espera-se que as primeiras unidades entrem em funcionamento no início da década de 2030.
Austrália assina acordo com França para a compra de 12 submarinos
Correio da Manhã
Lusa 20 de dezembro de 2016 às 08:56

Representantes dos governos australiano e francês selaram hoje o acordo para a compra de 12 submarinos fabricados pela empresa francesa DCNS, cujo montante ascende a 50.000 milhões de dólares australianos (34.000 milhões de euros).

 

Em Abril passado, a Austrália anunciou que tinha optado pela proposta do fornecedor francês, em detrimento de duas empresas japonesas e de outra alemã, para aumentar a sua frota.

 

"A segurança é incerta em todo o mundo e é por isso que estamos a expandir a marinha e as nossas forças de defesa (...) para assegurarmos a capacidade de manter os australianos seguros", disse o primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull, acompanhado pelo ministro francês da Defesa, Jean-Yves Le Drian, durante a assinatura dos documentos, informou o portal de notícias "news.com".

 

A construção dos submarinos vai começar em 2022 nos estaleiros da cidade australiana de Adelaide e espera-se que as primeiras unidades entrem em funcionamento no início da década de 2030.

 

Em Fevereiro deste ano, a Austrália anunciou o aumento do sua despesa militar até aos 58.700 milhões de dólares australianos (38.100 milhões de euros) para o ano 2025-26.

 

Malcolm Turnbull referiu então os desafios como a instabilidade no Médio Oriente, o terrorismo internacional ou as alterações climáticas, assim como as tensões que pode provocar o aumento da importância económica e militar de alguns países na Ásia-Pacífico, como as razões para o aumento do orçamento de defesa.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 20.12.2016

Para tão tarde? Vão fazer falta antes...

pub