Europa Áustria: Conservadores convidam extrema-direita para negociar coligação de governo

Áustria: Conservadores convidam extrema-direita para negociar coligação de governo

O líder dos conservadores austríacos, Sebastian Kurz, vencedor das eleições do passado dia 15 de Outubro, revelou ter já convidado o partido de extrema-direita FPÖ para o início de negociações tendo em vista uma coligação de governo.
Áustria: Conservadores convidam extrema-direita para negociar coligação de governo
DR
Lusa 24 de outubro de 2017 às 11:33
O líder conservador austríaco, Sebastian Kurz, vencedor das legislativas de dia 15, anunciou hoje ter convidado o partido de extrema-direita FPÖ para negociações exclusivas com vista à formação de uma coligação de Governo.

"Decidi convidar Heinz-Christian Strache [líder do FPÖ] para negociações com vista à formação de um Governo", disse o jovem líder eleito, numa conferência de imprensa em Viena, afirmando ter já tido discussões preliminares "muito construtivas" com ele.

"A Áustria merece a formação rápida de um Governo estável", acrescentou Kurz, que disse esperar conseguir chegar a acordo "antes do Natal".

Estas negociações abrem a porta a um regresso ao poder do Partido da Liberdade da Áustria (FPÖ), 17 anos após ter participado no executivo de um outro conservador, Wolfgang Schüssel.

Tanto o Partido do Povo de Kurz como o Partido da Liberdade defenderam, durante a campanha eleitoral, a necessidade de um maior controlo da imigração, de deportações rápidas dos requerentes de asilo cujos pedidos sejam negados e uma repressão do islão radical.

O chefe de Estado federal da Áustria, Alexander Van der Bellen, encarregou na sexta-feira o líder do conservador Partido do Povo (ÖVP), Sebastian Kurz, de 31 anos, de formar Governo, na sequência da vitória nas eleições legislativas de domingo passado.

Na ocasião, o Presidente pediu respeito pelos direitos humanos e "um compromisso claro" com a União Europeia.

Uma "condição básica" para a formação de um novo Governo, garantiu hoje o líder conservador, é uma "clara direcção pró-Europeia".

"A Áustria só poderá ser forte se não formos apenas membros da União Europeia, mas também se ajudarmos activamente a fortalecer a União Europeia" disse Kurz.

A Áustria assumirá a presidência rotativa da UE no segundo semestre do próximo ano.

Kurz, que assumiu o controlo do seu partido em maio passado, ganhou as eleições com 31,47% dos votos, elegendo 62 dos 183 lugares da câmara baixa austríaca, mais 15 do que tinha até agora, segundo os resultados definitivos conhecidos esta quinta-feira.

Nas eleições, o segundo partido mais votado foi o social-democrata (SPÖ), do chanceler federal, Christian Kern, que conseguiu manter estável o apoio eleitoral, com um resultado de 26,86% (manteve os 52 deputados), enquanto a extrema-direita (FPÖ) obteve 25,97% dos votos (51 assentos, mais 11 que nas eleições de 2013).

Hoje, Kurz disse que, depois de reunir-se com todos os outros partidos com assento parlamentar, decidiu convidar o FPÖ para negociar uma coligação, decisão que já se esperava.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Cemitério com eles Há 3 semanas

Direitolas é no cemitério, adorava matar

Anónimo Há 3 semanas

Após estas eleições na Áustria, Portugal passou a ser um dos poucos países da Europa (acompanhado apenas pela Itália, Eslováquia, Roménia e Malta) em que um Partido Socialista ou Social Democrata ganhou eleições e chefia governo.

pub