Economia Banca com "debilidades críticas" e dívida pública ameaçam médio prazo, diz FMI

Banca com "debilidades críticas" e dívida pública ameaçam médio prazo, diz FMI

No curto prazo, o cenário para a economia nacional melhorou de forma notável, mas no médio prazo os riscos são elevados, avisa Washington.
Banca com "debilidades críticas" e dívida pública ameaçam médio prazo, diz FMI
Reuters
Rui Peres Jorge 15 de setembro de 2017 às 10:15
O país pode estar melhor no curto prazo, crescer mais e ter menos défice, mas os riscos para o médio prazo continuam elevados na óptica do FMI, que não antecipa um crescimento da economia muito acima de 1% ao ano para lá de 2020. Esta é a tradução do fardo imposto pelo elevado endividamento, por um sistema bancário com muito malparado e pouca rendibilidade, e por baixas perspectivas de aumentos de produtividade e investimento.

"Embora as perspectivas de curto prazo tenham melhorado, a elevada dívida pública e privada e as elevadas necessidades de financiamento anuais deixam-no vulnerável a choques no médio prazo. Estes choques são ampliados pelo baixo potencial de crescimento de Portugal", lê-se no relatório que sintetiza a análise anual do Fundo a Portugal, e no qual se prevê uma redução do crescimento do PIB, de 2,5% este ano para 1,2% em 2021, com os riscos inerentes a este cenário a penderem para o lado negativo.

Face às fragilidades do país, Portugal precisa de políticas mais ambiciosas nas frentes orçamental, bancária, e de reformas estruturais, defende o FMI. "Aumentar o potencial de crescimento de Portugal permanece um elemento central para reduzir as vulnerabilidades significativas que ensombram as perspectivas de médio prazo de crescimento", lê-se no relatório que deixa várias prescrições de políticas.

No sector bancário, persistem "debilidades críticas" que exigem que "os passos dados para aumentar o capital do sistema bancário sejam seguidos de esforços ambiciosos para limpar os balanços dos bancos", escrevem os técnicos de Washington, que consideram que "o desafio de médio prazo em termos de política continua a ser o de quebrar o círculo vicioso entre bancos fracos, malparado elevado e baixo investimento que continua a constranger o crescimento de longo prazo".

Mas além dos esforços para melhorar a intermediação financeira, a recuperação do investimento e do crescimento vai exigir a redução dos riscos orçamentais e políticas que ataquem a persistente rigidez estrutural da economia nacional, em particular no mercado de trabalho, de forma a aumentar a produtividade da economia.

Na frente orçamental, Washington defende uma estratégia assente na contenção das despesas com pessoal, com maior mobilidade na sua gestão; na melhoria da eficiência dos gastos sociais, em particular para maior protecção dos mais jovens, que foram e são os mais sacrificados com a crise; e em poupanças adicionais no sistema de pensões.

Na frente estrutural, o relatório volta a defender mais flexibilidade no mercado de trabalho com uma redução da dualidade entre contratos permanentes e temporários, ganhos de eficiência do sector judicial, e mais disciplina de pagamentos pelo sector público ao sector privado.



A sua opinião20
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Alemanha 1,9% Bélgica 1,7% Espanha 2,4% França 1,7% Itália 1,4 Holanda 2,3% Áustria 1,4% Finlândia 1,1% Dinamarca 1,8% U.K. 2,2% Japão 0,5%.

PORTUGAL 2,5%.

Os números de Portugal falam por si...depois de 4 perdidos com o PIB a diminuir, 2016 E 2017 refletem a reviravolta da economia Portuguesa

Anónimo Há 1 semana

A verdade é que a Dívida aumentou de 96,8% em 2011 para 129,5% em 2015, fora o brutal aumento de impostos e os 10.000.000.000,00€ em privatizações, e sempre a cortar além da Troika. Com o Costa a dívida aumentou de 129,5% pra 130,5% sem privatizações e os resultados estão à vista. Havia alternativa

1904 Há 1 semana

Pelas constantes boas notícias sobre Portugal sente-se que o pesadelo de 2011 a 2015 finalmente passou. É claro que a direita milionária vai estar sempre corrompendo o Estado, mas mesmo com esse peso nas costas, o futuro parece risonho. Só falta agora recuperar a banca Laranja...

Anónimo Há 1 semana

Ó Anónimo dos 21 ANOS... Isso são os nomes que teu pai te chamava quando era para vires para casa jantar?? HAHAHAAHHA Não te exaltes, eu sei que estas constantes boas notícias para o País são difíceis de engolir mas não vale a pena te exaltares...é que vais ter de comer com mais um mandato do Costa

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub