Economia Banco central prevê taxa de desemprego nos 8,5% em 2019

Banco central prevê taxa de desemprego nos 8,5% em 2019

O Banco de Portugal antecipa uma recuperação lenta, mas que permitirá uma redução continua da taxa de desemprego para valor registado em 2004. Produtividade desilude.
Banco central prevê taxa de desemprego nos 8,5% em 2019
Paulo Duarte
Rui Peres Jorge 14 de Dezembro de 2016 às 13:00

O Banco de Portugal aponta para uma taxa de desemprego de 8,5% em 2019, o que, a confirmar-se, será o menor valor desde 2004. Esta é uma das previsões mais positivas entre as divulgadas a 14 de Dezembro, e que que traçam um cenário de recuperação lenta mas sustentada da economia portuguesa, embora insuficiente para convergir para o rendimento da Zona Euro até ao final da década.  

 

O banco central espera a estabilização do crescimento do emprego ao ritmo de cerca de 1% ao ano – depois de crescimentos de 1,4% em 2015 e 1,5% em 2016 – o que permitirá baixar a taxa de desemprego para 8,5% do PIB em 2019 num cenário de manutenção da população activa do país. 

 

"A evolução da actividade deverá ser acompanhada pela recuperação gradual da situação no mercado de trabalho, projectando-se a continuação do crescimento do emprego, embora a um ritmo progressivamente mais moderado, e a manutenção da trajectória descendente da taxa de desemprego" lê-se no boletim económico, que atribui a melhoria no mercado de trabalho exclusivamente ao sector privado.

"O crescimento do emprego ocorrerá no sector privado, já que o emprego público deverá permanecer relativamente estável. Esta evolução do emprego, a par da hipótese de virtual estabilização da população activa, implica a manutenção de um perfil descendente da taxa de desemprego ao longo do horizonte de projecção, de 11% em 2016 para 8,5 por cento em 2019", estimam os economistas do banco central, que alertam no entanto para uma dinâmica preocupante no mercado de trabalho nacional: o baixo crescimento da produtividade.

"A evolução da actividade e do emprego tem-se traduzido numa dinâmica muito fraca da produtividade do trabalho no recente período de recuperação. Após uma ligeira redução em 2016, projecta-se um crescimento anual da produtividade do trabalho em torno de 0,5 % ao longo do horizonte de projecção", escrevem no boletim,  alertando que estes são valores "bastante aquém" dos registados em crises anteriores, mas que também se estão a registar noutras economias da área do euro.


 




A sua opinião29
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 dias


JUSTIÇA SOCIAL

CORTAR NAS PENSÕES ATUAIS DOS LADRÕES FP / CGA

Todas as pensões da FP, devem ter um corte imediato de 50% (acaba-se já com o défice orçamental)!

comentários mais recentes
Custódio Oliveira Há 2 dias

Atenção eu ficaria muito satisfeito se tal fosse possível, só não percebo são as previsões a longo prazo.

Custódio Oliveira Há 2 dias

Agora conseguem prever tudo a longo prazo. Só não conseguirão controlar em devido tempo a desgraça dos bancos. Será que esta gente anda a regular bem?

Tereza Pato da Costa Há 2 dias

REINO UNIDO AGORA COM 4.8%

Adelino Noé Lima Há 2 dias

Nem o professor zandinga ou qualquer bruxo faria tais previsões nos dias que correm !

ver mais comentários
pub