Política Monetária Banco de Inglaterra mantém juros em mínimo histórico e programa de compras inalterado

Banco de Inglaterra mantém juros em mínimo histórico e programa de compras inalterado

A autoridade liderada por Mark Carney sinalizou ainda que a recente apreciação da libra pode ajudar a conter a subida dos preços no país.
Banco de Inglaterra mantém juros em mínimo histórico e programa de compras inalterado
Bloomberg
Rita Faria 15 de dezembro de 2016 às 13:29

Na última reunião mensal de política monetária deste ano, o Banco de Inglaterra decidiu manter a taxa de juro de referência inalterada no mínimo histórico de 0,25%.

O programa de compra de dívida pública também não sofreu qualquer alteração, mantendo o tecto de 435 mil milhões de libras, tal como as compras de dívida das empresas, que ficam em 10 mil milhões de libras. Tanto a decisão de manutenção dos juros como a de manutenção do programa de compra de activos foram unânimes no comité de política monetária, com uma votação de 9-0. 

A autoridade monetária liderada por Mark Carney sinalizou ainda que a recente subida da libra poderá significar um crescimento menos expressivo da inflação do que anteriormente previsto.

O comité de política monetária acredita que o crescimento do PIB vai abrandar em 2017 com os gastos dos consumidores a caírem e a incerteza em torno do Brexit a penalizar a economia. O Banco de Inglaterra antecipa um crescimento de 0,4% no último trimestre deste ano depois do avanço de 0,5% nos três meses até Setembro.

A decisão do Banco de Inglaterra é conhecido depois de o Banco Central Europeu ter prolongado até Dezembro de 2017 o seu programa de compra de activos, na passada quinta-feira, e de a Fed ter anunciado ontem uma subida dos juros para o intervalo de 0,5% a 0,75%.

Esta quinta-feira, o banco central do Reino Unido publicou ainda uma carta de Mark Carney ao ministro das Finanças Philip Hammond sobre a recente subida da inflação. A missiva cita a análise do banco central sobre a recente apreciação da libra nos preços, acrescentando, contudo, que a moeda permanece "mais fraca do que nos últimos anos". A taxa de inflação no país subiu para 1,2% em Novembro, e o Banco de Inglaterra antecipa que atingirá 2,75% em 2018.

Em resposta, Hammond garantiu que o compromisso do Governo com a independência e o mandato operacional do Banco de Inglaterra permanece "absoluto", depois das críticas de que a instituição foi alvo durante a campanha para o referendo. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub