Conjuntura Banco de Portugal prevê crescimento mais alto e em linha com Zona Euro

Banco de Portugal prevê crescimento mais alto e em linha com Zona Euro

O banco central está mais optimista e vê economia a crescer acima dos 2% este ano e no próximo, desacelerando nos anos seguintes, mas mantendo-se em linha com a Zona Euro. O desemprego chega ao 6,1% em 2020. O crescimento potencial da economia permanece baixo.
Banco de Portugal prevê crescimento mais alto e em linha com Zona Euro
Miguel Baltazar/Negócios
Rui Peres Jorge 15 de dezembro de 2017 às 13:00

A economia portuguesa deverá crescer 2,6% este ano e 2,3% no próximo, mais do que previsto em Junho, diz o banco central que nas novas previsões aponta para uma desaceleração nos anos seguintes, mas que ainda assim garante uma ligeira convergência do PIB por habitante com o verificado na área do euro. A taxa de desemprego baixará de 8,9% este ano para 6,1% em 2020.

As previsões avançadas esta sexta-feira, 15 de Dezembro. pelo Banco de Portugal trazem boas notícias também na frente externa, antecipando-se excedentes anuais nas relações com o resto do mundo superiores a 2% do PIB ao ano de 2018 até 2020, explicado pelo dinamismo das exportações, em particular do turismo, mas também por menos juros pagos pela dívida pública e mais fundos estruturais a chegarem da União Europeia.

A explicar o desempenho nacional estão três dinâmicas principais: um crescimento exportações de bens e serviços que será sempre superior a 4% ao ano até 2020, e praticamente compensará os aumentos de importações; a continuação de uma forte recuperação do investimento, com crescimentos em torno dos 6% tanto em 2018 como em 2019; e, finalmente, o consumo das famílias crescerá alinhado com o rendimento disponível (e ligeiramente abaixo do crescimento da economia), o que resultará uma estabilização da taxa de poupança, espera o Banco de Portugal.

"A expansão projectada para a economia portuguesa tem subjacente uma recomposição da procura global orientada para um crescimento mais sustentável, assente no dinamismo das exportações e do investimento e num enquadramento internacional favorável", lê-se numa nota divulgada pelo banco central associada ao Boletim Económico.

No relatório, a instituição destaca que "o crescimento do PIB em Portugal será muito próximo do da média da área do euro ao longo do horizonte de projecção", o que permitirá alcançar o PIB de 2008 já em 2018, e chegar a 2020 com um Produto cerca de 4% superior ao registado em 2008, quando começou a crise.

Ajustando ao facto da população estar a cair em Portugal e aumentar na Europa, o banco central nota que "em termos do PIB per capita, a convergência real face à área do euro deverá continuar nos próximos anos de forma ligeira, em parte reflectindo a redução da população em Portugal".

As exportações, puxadas pelo dinamismo da procura externa e por ganhos de quota de mercado, foram o principal ingrediente da retoma e continuam a ser uma parte fundamental da história da actual recuperação, mas daqui para a frente o palco é dado ao investimento, em particular ao empresarial. "A componente mais dinâmica da procura global deverá ser a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), reflectindo em particular a evolução do investimento empresarial", prevê o Banco de Portugal, que nota que "depois de um aumento de 8,3% em 2017, a FBCF deverá crescer 6% em 2018 e em 2019 e 5,4% em 2020. Não obstante, o nível da FBCF no final do horizonte deverá ser 11% inferior ao observado antes da crise financeira internacional". Já as exportações em 2020 estará 68% acima do nível de 2008.

O dinamismo da actividade económica garantirá a continuação da descida do desemprego e do aumento do emprego. "Depois de uma subida de 3,1% em 2017, o emprego deverá continuar a crescer até 2020, ainda que a um ritmo inferior ao do PIB (1,6% em 2018, 1,3% em 2019 e 0,9% em 2020)" e a "taxa de desemprego manterá uma trajectória descendente, atingindo 6,1% no final do horizonte de projecção", lê-se na mesma nota. No boletim, o banco central destaca que, ainda assim, em 2020 "o nível do emprego irá situar-se ainda em níveis cerca de 2% abaixo dos observados antes da crise financeira internacional".

Mais emprego não terá no entanto impactos significativos nos salários, que continuarão a acompanhar os pequenos ganhos de produtividade estimados pelo banco central para os próximos anos, esperam os economistas da Almirante Reis. A inflação permanecerá estável em torno dos 1,5%.

O cenário mais positivo para a economia nacional chega acompanhado de uma análise sobre as tendências de crescimento de longo prazo, e o potencial da economia, que traz uma avaliação mais negativa. O PIB potencial nacional tem vindo a cair ao longo das duas últimas décadas, permanece baixo, entre 0% a 2%, e será pressionado negativamente nos próximos anos por dinâmicas demográficas desfavoráveis e baixo nível de capital.





A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 15.12.2017

TIREM-ME ESTE PALHAÇO DAQUI!

comentários mais recentes
Judas a cagar no deserto 15.12.2017

Quando será que o Monhé Costa consegue pagar os 78.000.000.000 eur que o Sócrates pediu ao FMI ?

Adoro 15.12.2017

ver os cabrões da direita a torcerem-se

Anónimo 15.12.2017

Até o amigalhaço do Passos Coelho já se rendeu aos excelentes resultados da geringonça.

Perante factos não há Diabo que aguente!!

Ai aguentam, aguentam!!

Anónimo 15.12.2017

Defina pobres por favor.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub