Conjuntura Banco Mundial mais pessimista devido a incerteza com Trump

Banco Mundial mais pessimista devido a incerteza com Trump

A instituição reviu em ligeira baixa as suas previsões para o crescimento mundial. Contudo - facto raríssimo - não forneceu novas projecções para os EUA por desconhecer o programa de Governo de Donald Trump.
Banco Mundial mais pessimista devido a incerteza com Trump
Victorgrigas
Lusa 11 de janeiro de 2017 às 00:03
O Banco Mundial manifestou esta terça-feira, 10 de Janeiro, pessimismo em relação ao crescimento económico no mundo devido à "crescente incerteza" em relação às intenções do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Segundo a nova previsão, o Produto Interno Bruto (PIB) deve crescer 2,7% em 2017, um aumento em relação aos 2,3% registados em 2016, mas uma diminuição de 0,1 pontos percentuais em relação às projecções divulgadas em Junho.

O principal autor do relatório semestral do Banco Mundial sobre a situação internacional, Ayhan Kose, sublinhou que "as repercussões do que está a acontecer nos Estados Unidos não se limitam aos Estados Unidos".

"Há uma crescente incerteza sobre a futura orientação fiscal e comercial e sobre a política migratória e externa dos Estados Unidos", refere o Banco Mundial.

Facto raríssimo, o Banco Mundial não forneceu novas projecções para os Estados Unidos, maior economia do mundo, por desconhecer o programa de Governo de Donald Trump, que toma posse a 20 de Janeiro.

A instituição admite que algumas propostas feitas por Donald Trump podem apoiar o crescimento global, incluindo o seu plano de construção de infraestruturas e a proposta para diminuir os impostos.

"Uma política fiscal mais expansionista poderá levar a um crescimento mais forte nos Estados Unidos e no exterior a curto prazo", disse Ayhan Kose.

Em comunicado, o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, assegura que é o "momento certo" para aumentar o investimento em infraestruturas.

Mas, adverte o banco, a guerra comercial que Donald Trump lançou contra o México e a China poderá ter o efeito oposto e "minar a esperada recuperação do comércio mundial e do investimento".

Alvo favorito de ataques proteccionistas do futuro Presidente norte-americano, o México também vê a sua previsão de crescimento diminuir 0,5 pontos percentuais em 2017 para 1,8%.

Segundo o relatório, outras fontes de incerteza pairam sobre a economia mundial, especialmente na Europa, onde o Reino Unido se prepara para iniciar a discussão sobre a saída da União Europeia. O Banco Mundial prevê um crescimento económico para o Reino Unido de 1,2% em 2017.

De modo geral, refere o relatório, a Europa está ameaçada por uma tentação "populista", que poderá ficar expressa em 2017 durante as eleições em França e na Alemanha, enquanto a zona euro parece consolidar a sua recuperação com um crescimento previsto de 1,5% para este ano.

"As próximas eleições, particularmente na Europa, podem desencadear um novo movimento proteccionista", segundo o Banco Mundial, que se manifesta preocupado com aquela possibilidade.

Devido ao cocktail de incertezas nos países ricos, as economias emergentes e em desenvolvimento estão condenadas à expectativa.

Globalmente, o crescimento económico daqueles países em 2017 deverá ser mais fraco do que o esperado em Junho, mas com grandes disparidades entre as regiões.

Para a segunda maior economia do mundo, a China, o Banco Mundial prevê um crescimento de 6,5%, enquanto para a África Subsaariana uma redução de um ponto percentual para 2,9%.

"É vital acelerar o crescimento económico sustentável e inclusivo para acabar com a pobreza extrema", sublinha o presidente do Banco Mundial.

Em relação ao Brasil e à Rússia, o Banco Mundial prevê que as suas economias voltem a crescer em 2017, após dois anos de recessão.

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub