Conjuntura Banco de Portugal mais pessimista sobre crescimento, mais optimista sobre desemprego

Banco de Portugal mais pessimista sobre crescimento, mais optimista sobre desemprego

O Banco de Portugal espera que a economia portuguesa cresça apenas 1,1% em 2016, uma revisão em baixa face à última estimativa de 1,3%. O principal motivo por trás desta revisão é o investimento, que se projecta agora que afunde 1,8%.
Banco de Portugal mais pessimista sobre crescimento, mais optimista sobre desemprego
Bruno Simão/Negócios
Nuno Aguiar 07 de Outubro de 2016 às 13:00

Esta previsão actualizada de crescimento fica mais ou menos em linha com as instituições internacionais e com a revisão que o Governo deverá fazer (1,2%), embora muito longe da previsão original do Orçamento do Estado. Tem por base um crescimento de 1,8% do consumo privado e a já referida queda de 1,8% do investimento. Há também uma forte revisão em alta das exportações, de 1,6% para 3%.

 

"Estima-se um crescimento do PIB de 1,1% em 2016, inferior aos 1,6% registados em 2015, reflectindo o menor dinamismo da procura interna e, em particular, do investimento", pode ler-se no boletim económico. "O valor revê em baixa a projecção do Boletim Económico de Junho para o crescimento do PIB em 0,2 pontos percentuais."

 

A primeira metade deste ano trouxe pela primeira vez em vários meses uma divergência do crescimento face à média da zona euro. Contudo, o BdP nota que os desenvolvimentos demográficos - que têm sido negativos - estão a desempenhar um papel importante. Se olharmos para o PIB per capita, ele não só já está ao nível de 2011 como avança ao mesmo ritmo dos restantes países da moeda única.

 

No entanto, nem tudo são más notícias. O Banco de Portugal está impressionado com a evolução do mercado de trabalho e antecipa que a taxa de desemprego deste ano fique nos 11,2%, abaixo até da previsão do Governo para este ano.

 

Os bons resultados do mercado de trabalho são ainda mais impressionantes, tendo em conta as contracções do número de estágios financiados pelo IEFP.

 

O emprego está a crescer entre aqueles que têm qualificações superiores ao ensino secundário. Quanto ao desemprego, caiu bastante entre os desempregados de curta e média duração, mantendo-se elevado para os de longa duração.




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


PS LADRÃO, em ação (sempre a roubar os trabalhadores do privado).

COSTA LADRÃO aumenta impostos, aumenta dívida, aumenta despesa com salários e pensões da FP…

e corta em tudo o resto!

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

Sergio Fino Há 3 semanas

Nao pode ser....

Serip Rotiv Há 3 semanas

BANCO DE PORTUGAL COMPRA CALCULADORA SEM PILHAS....

Luis Ferreira Há 3 semanas

esta deve ser para fazer contraponto com as boas notícias do Banco de Portugal...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub