Conjuntura Banco de Portugal: meta de 2,5% para o défice é "exequível"

Banco de Portugal: meta de 2,5% para o défice é "exequível"

O Banco de Portugal identifica riscos para a segunda metade do ano, mas considera que a exigência orçamental de Bruxelas pode ser atingida pelo Governo. 
Banco de Portugal: meta de 2,5% para o défice é "exequível"
Miguel Baltazar/Negócios
Nuno Aguiar 07 de Outubro de 2016 às 13:00

"O objectivo anual de estabelecido pelo Conselho para o défice de 2016 parece exequível", pode ler-se no Boletim Económico de Outubro do Banco de Portugal. "Contudo, deve sublinhar-se que a execução do segundo semestre não está isenta de riscos, sendo afectada por diversos factores como a entrada em vigor tardia do orçamento e impacto de medidas de política orçamental."

 

Recorde-se que o Governo tinha como previsão no Orçamento do Estado para este ano um défice de 2,2% do PIB, com a Comissão Europeia a exigir um valor mínimo de 2,5%. A execução orçamental tem dado bons sinais e outras instituições, como o Conselho das Finanças Públicas, também consideram que esse objectivo é possível. Por outro lado, o Fundo Monetário Internacional espera um défice de 3%.

 

A ideia de que os 2,5% estão ao alcance do Governo é sublinhada logo no arranque do boletim, dizendo que o objectivo para o défice "pode ser atingido", embora aí sublinhe a existência de "factores de risco não negligenciáveis".

 

De referir que esta estimativa não inclui ainda o perdão fiscal anunciado ontem pelo Governo que, nesta lógica de consolidação orçamental, representa um risco positivo.

O Banco de Portugal nota que a alteração durante o Verão da meta exigida a Portugal "facilita a acomodação de algumas pressões orçamentais identificadas anteriormente". "Ainda assim, permanece uma elevada incerteza quanto ao comportamento da receita fiscal líquida de reembolsos, em particular por via do impacto das medidas adoptadas e dos desenvolvimentos macroeconómicos, bem como da despesa pública". 

Por último, a instituição liderada por Carlos Costa deixa um aviso: mesmo que seja possível cumprir o objectivo de défice nominal e estrutural (que deve estabilizar), no médio prazo será necessário atingir um saldo estrutural de 0,25% do PIB, o que obriga a mais medidas de consolidação orçamental a partir de 2017.




A sua opinião24
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

Esta gente pensa que pode enganar toda a gente. O BP está a falar a partir dos resultados do primeiro semestre... Portanto, sem ter em conta os números de julho e agosto!

"A evidência disponível para o primeiro semestre
parece sugerir que o objetivo para o défice estabelecido
pelo Conselho da União Europeia para
o conjunto de 2016 pode ser atingido, devendo
sublinhar-se, contudo, que a execução orçamental
no segundo semestre continua a ser muito
exigente e sujeita a fatores de risco não negligenciáveis."

Banco de Portugal

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

Continuem estou a gostar Há 3 semanas

Passa-se alguma coisa? Vai haver uma Revolução e à cautela há que tomar medidas paliativas sobre o passado. Adoro estes cata-ventos, bons meteorologistas, tanto dão chuva na horta como Sol no nabal. Por enquanto concordam, amanhã se verá, que ordens chegam.

Ai JdN Há 3 semanas

O JdN acha esta noticia sem relevância reparem que a meteu no meio.

Anónimo Há 3 semanas


PS DEIXA MORRER UTENTES DO SNS... PARA DAR MAIS DINHEIRO À FP:

- PS aumenta despesa com salários da FP em 500 milhões de Euros;

- PS reduz horário da FP para 35 horas;

- PS corta orçamento dos Hospitais Públicos.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub