África Bancos com capital português contaminados por "dívidas ocultas" de Moçambique

Bancos com capital português contaminados por "dívidas ocultas" de Moçambique

Moza Banco, Millennium Bim e Banco Comercial e de Investimento compraram um total de 130 milhões de dólares de dívida contraída ilegalmente por três empresas públicas moçambicanas.
Bancos com capital português contaminados por "dívidas ocultas" de Moçambique
Mike Hutchings/Reuters
Celso Filipe 01 de setembro de 2017 às 18:39

Três bancos moçambicanos com capital português, o Moza Banco, o Millenium Bim e o Banco Comercial e de Investimentos têm uma exposição às chamadas "dívidas ocultas" de Moçambique de 130 milhões de dólares (109 milhões de euros, ao câmbio de sexta-feira, 1 de Setembro).

A notícia é avançada pela África Monitor na sua newsletter de acesso pago, que teve acesso à auditoria que a consultora inglesa Kroll fez às dívidas das empresas públicas Ematum, (empresa moçambicana de atum), Proindicus (segurança marítima) e MAM (reparação marítima), cuja criação esteve na base das chamadas "dívidas ocultas" de mais de 2,2 mil milhões de dólares (1,8 mil milhões de euros), contraídas entre 2012 e 2013, durante o mandado do presidente Armando Guebuza, à revelia do Parlamento e dos doadores internacionais.

O escândalo das "dívidas ocultas" rebentou em Abril de 2016 e levou a que instituições internacionais como o FMI e o Banco Mundial suspendessem a ajuda a Moçambique.

As dívidas das três empresas foram contraídas junto do Credit Suisse e dos russos da VTB que posteriormente as venderam a outras instituições financeiras. E é aqui que, segundo a África Monitor, entram os bancos de capital português.

O Moza Banco, à data detido a 49% pelo Novo Banco, comprou 46 milhões de dólares desta dívida, o Milennium Bim (detido a 66% pelo BCP) ficou com 55 milhões de dólares e o Banco Comercial e de Investimentos (onde a CGD tem 55% e o BPI, agora CaixaBank, 29,55%) adquiriu 37,2 milhões de dólares.

Em Outubro de 2016 o Moza Banco, o quarto maior banco a operar no país, foi intervencionado pelo Banco de Moçambique e já este ano, em Maio, o supervisor escolheu a sociedade Kuhanha para a recapitalização do banco, num processo em que serão injectados 8,170 milhões de meticais (mais de 120 milhões de euros) na instituição bancária.

A Kuhanha, sociedade gestora do fundo de pensões do Banco de Moçambique, ficou com 80% do Moza Banco e o Novo Banco reduziu a sua posição nesta instituição para 10%.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
EUROPEU 02.09.2017

A CGD está sempre metida nestas operações! Mas não há problema criam-se comissões de manutenção que apagam as asneiras.
Depois como o Bava , o Granadeiro criam fama de bons gestores! Qualquer merceeiro que roube 5 euros por mês aos seus clientes tambem consegue bons resultados. Vivam as empresas publicas.

Anónimo 02.09.2017

BCP sempre à frente no que há de pior.
Investiguem seriamente este banco, é um sem fim de operações desastrosas.

tomas 01.09.2017

O BCP E SO ASNEIRAS.
1 - AUMENTAR OS SALARIOS
2 - IMPARIDADES AS TONELADAS
3 - VIVER A CUSTA DOS ACCIONISTAS QUANDO DEVERA SER O CONTRARIO
4 - INCAPACIDADE GESTAO
O QUE ESPERAM O FUTURO DO BCP???? E A COTACAO?

Sempre a perder 01.09.2017

Quer dizer que o BCPato levou com mais uma banhada em África. Não têm capacidade para o de cá quanto mais para os de fora.

ver mais comentários
pub