Política Bancos franceses perderiam um quarto do valor em bolsa com vitória de Le Pen

Bancos franceses perderiam um quarto do valor em bolsa com vitória de Le Pen

Uma análise do Citigroup conclui que os bancos franceses seriam fortemente penalizados pela vitória da líder da Frente Nacional nas eleições, com perdas entre 20% e 30% em bolsa.
Bancos franceses perderiam um quarto do valor em bolsa com vitória de Le Pen
Reuters
Rita Faria 15 de março de 2017 às 11:20

Se a líder da Frente Nacional, Marine Le Pen, vencer as eleições presidenciais francesas de Maio, os bancos do país serão fortemente penalizados, podendo perder cerca de um quarto do seu valor em bolsa.

A conclusão é dos analistas do Citigroup que, apesar de atribuírem uma baixa probabilidade à vitória da líder da extrema-direita, admitem que as sondagens podem estar erradas, como já aconteceu recentemente no referendo sobre o Brexit, no Reino Unido, e na eleição de Donald Trump, nos Estados Unidos.

"As sondagens já se enganaram no passado", referem os analistas do Citigroup numa nota de análise citada pela Bloomberg. "Pensamos que os riscos descendentes são significativos", acrescenta, referindo-se à exposição a França e à dívida soberana, bem como aos bancos do país.

Segundo o banco norte-americano, a vitória de Le Pen – que quer sair do euro, revogar a independência do banco central e voltar ao franco – traria sérios riscos para os bancos, incluindo quedas nos títulos de dívida do governo, que não só correspondem a uma parte significativa do balanço dos bancos como implicariam um aumento dos custos de financiamento do país.

Para os analistas, também seria preocupante a redução das receitas dos mercados de capitais e o menor crescimento da gestão de activos.

De acordo com o Citigroup, as acções do Société Générale poderiam cair 38% (considerando o valor de fecho da sessão de ontem), devido à sua exposição aos títulos soberanos e às actividades de banca de investimento, enquanto o BNP Paribas desceria 23%. A análise antecipa ainda quedas de 30% e 34% para o Credit Agricole e Natixis, respectivamente.

Apesar de atribuírem vantagem a Le Pen na primeira volta, a 23 de Abril, as sondagens mostram que a candidata da Frente Nacional será derrotada na segunda volta, em Maio, tanto por Emmanuel Macron como por François Fillon. A sondagem OpinionWay Poll de hoje atribui 27% das intenções de voto a Le Pen na primeira volta, 25% a Macron (mais um ponto do que na anterior sondagem) e 19% a Fillon (menos 1 ponto).

Numa entrevista à LBC, que será transmitida esta quarta-feira, Le Pen afirma que, se ganhar as eleições, a sua primeira medida seria suspender imediatamente o acordo de Schengen porque "não é mais possível viver com a pressão criada pela imigração".

No mesmo sentido, a líder da Frente Nacional implementaria tarifas sobre os produtos importados e garantiria que os cidadãos franceses teriam prioridade ao nível das contratações.

"Acredito que um francês deve ter prioridade no acesso a empregos, em relação àqueles que vieram para França procurar trabalho porque temos 7 milhões de pessoas desempregadas. Mas isso não tem nada a ver com qualquer forma de hostilidade ou ódio contra estrangeiros ", diz Le Pen na entrevista.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
ricky 15.03.2017

Diziam o mesmo do trump mas uando este foi eleito a bolsa valorizou (e não foi pouco)

pub
pub
pub
pub