Conjuntura Bancos prevêem “boom” de crescimento global para 2018

Bancos prevêem “boom” de crescimento global para 2018

Parece que a economia mundial está a prosperar novamente.
Bancos prevêem “boom” de crescimento global para 2018
Reuters
Bloomberg 02 de dezembro de 2017 às 17:00

À medida que os economistas publicam as suas projecções para 2018, as apresentadas pelo Goldman Sachs Group e pelo Barclays são as mais optimistas até o momento, com um crescimento global previsto de 4% para o próximo ano. Esta seria a taxa mais alta desde 2011 e superaria a proporção de 3,7% que o Goldman Sachs estima para este ano.

 

"A actual expansão económica tem um impulso substancial", escreveram Ajay Rajadhyaksha e Michael Gavin, economistas do Barclays, num relatório de 16 de Novembro.  A expansão económica "não depende muito de nenhuma região geográfica, indústria ou fonte de procura específica. Não parece ter gerado excessos económicos nem financeiros que representariam uma ameaça imediata."

 

No Goldman Sachs, economistas liderados por Jan Hatzius sugerem que a perspectiva é "a melhor possível" após um ano em que o crescimento das economias do G-7 deve superar a projecção de uma análise realizada pela Bloomberg com analistas pela primeira vez desde 2010. A maioria das grandes economias supera até mesmo a sua média de antes da crise financeira, afirmou a equipe de Hatzius num relatório a 5 de Novembro.

 

Confira o que outros grandes bancos estão a dizer sobre o panorama da economia mundial e suas projecções para o crescimento global em 2018:

 

JPMorgan Chase & Co. (3,7%)

"Uma dinâmica tradicional do ciclo económico global está a impor-se. Um ciclo de retroalimentação positiva, que liga o crescimento a condições financeiras favoráveis e um crescimento da confiança, sustentam um segundo ano de crescimento global sincronizado e superior à tendência em 2018. Além do crescimento forte, projectamos que a inflação aumentará e que a normalização dos bancos centrais ganhará força."

 

Morgan Stanley (3,7%)

"A recuperação global deve ganhar impulso e amplitude em 2018, apoiada por uma política monetária ainda flexível e mais estímulo fiscal. Contudo, como as grandes economias atravessam distintas etapas do ciclo económico, o risco de superaquecimento da economia global é limitado."

 

Citigroup (3,4% com as taxas de câmbio actuais)

"A nossa perspectiva económica global para 2018 caracteriza-se principalmente pela continuação de acontecimentos recentes – mais crescimento, inflação constante e taxas de juros mais altas nas economias avançadas. A economia global continua a ganhar impulso e o crescimento mundial continua a superar as projecções. Prevemos outro aumento do crescimento global em 2018 e uma expansão para mais países e sectores. Porém, desconfiamos que agora o risco ascendente para o crescimento seja relativamente limitado."

 

UBS Group (3,8%)

"Em números, a recuperação global é generalizada, mas grande parte do impulso deve-se a um punhado de produtores de ‘commodities’. Os maiores riscos ascendentes em nossa projecção são uma redução de impostos maior que a esperada nos EUA e que uma diminuição da incerteza com as políticas em ambos os lados do Atlântico gere uma reacção muito mais forte do investimento."

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Nonagésimo Há 1 semana

Todos querem crescer mas o planeta é só um e com recursos muitos limitados.
Será este o caminho certo?

comentários mais recentes
gina Há 1 semana

NÃO ACREDITO NOS BANCOS SEJA ELE QUAL FOR AINDA MENOS NOS MENCIONADOS, QUE FORAM OS QUE MAIS CONTRIBUÍRAM PARA A MISÉRIA GLOBAL ...!! O PLANETA HÁ MUITOS ANOS, QUE DIZ "BASTA DE ME AGREDIREM"...!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Nonagésimo Há 1 semana

Todos querem crescer mas o planeta é só um e com recursos muitos limitados.
Será este o caminho certo?

Anónimo Há 1 semana

E o Jornal de Negócios deixou passar em branco os 6000 despedimentos anunciados pelo Nordea da Escandinávia, esse lugar "socialista" defensor do sindicalismo marxista, da ditadura do proletariado, e do trabalho excedentário para a vida a qualquer custo? Aqui fica mais uma ajudinha pro bono publico... e já agora, contratem mais e melhores freelancers disponíveis no mercado. https://www.bloomberg.com/news/articles/2017-12-01/nordea-bank-s-6-000-job-cuts-are-just-the-beginning-union-says

pub