Energia Barack Obama interdita perfurações no Ártico e Atlântico

Barack Obama interdita perfurações no Ártico e Atlântico

O Presidente norte-americano, Barack Obama, interditou na terça-feira, de forma definitiva, qualquer nova prospecção de hidrocarbonetos nas vastas áreas dos oceanos Ártico e Atlântico. 
Barack Obama interdita perfurações no Ártico e Atlântico
Reuters
Lusa 21 de dezembro de 2016 às 00:34

A um mês da chegada à Casa Branca de Donald Trump, que prometeu suprimir numerosas regulamentações ambientais, as medidas anunciadas esta terça-feira pelo presidente democrata, complementadas por uma iniciativa similar no Canadá, deverão provocar grande descontentamento no campo republicano.

 

"Hoje, em parceria com os nossos vizinhos e aliados do Canadá, os EUA superam uma etapa histórica para preservar os ecossistemas do Ártico", sublinhou Obama, em comunicado, evocando também a necessidade de reduzir a dependência das energias fósseis para lutar contra as alterações climáticas.

 

Obama, que fez da protecção do ambiente uma das grandes prioridades dos seus dois mandatos, fez-se valer de uma lei de 1953 para agir a algumas semanas da sua partida.

 

Esta legislação dá aos presidentes o poder de proteger as águas federais de toda e qualquer exploração de gás e petróleo. Já tinha sido utilizada por vários dos seus antecessores, entre os quais Dwight Eisenhower e Bill Clinton.

 

A decisão, tomada na terça-feira, tem suporte numa "base legal sólida" e não pode ser questionada por um outro Presidente, afirmou um alto responsável da Casa Branca.

 

No Oceano Atlântico, ao largo do Alasca, Obama interditou, de maneira permanente, qualquer novo furo em pouco mais de 50 milhões de hectares, que incluem todas as águas dos EUA do Mar dos Tchouktches e uma grande parte das de Beaufort.

 

Já o Canadá anunciou a interdição, de maneira permanente, de qualquer nova perfuração nas águas canadianas do Ártico, mas com a possibilidade de revisão de cinco em cinco anos.

 

No Atlântico, Obama designou 31 locais submarinos onde qualquer perfuração vai ser proibida.

 

Trump, que por várias vezes questionou a realidade das alterações climáticas, prometeu acabar com "a intrusão" da Agência de Proteção do Ambiente (EPA, na sigla em Inglês) "na vida dos norte-americanos". Para a dirigir, designou Scott Pruitt, até agora responsável pela pasta da Justiça no Estado do Oklahoma, que dirigiu uma batalha judicial para anular as regulamentações do governo de Barack Obama que visavam reduzir as emissões de gases com efeito de estufa por parte das centrais de carvão. 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub