Saúde Bastonário da Ordem dos Médicos admite apoiar profissionais que adiram a uma greve

Bastonário da Ordem dos Médicos admite apoiar profissionais que adiram a uma greve

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, entende a posição da Ordem dos Enfermeiros quanto à greve que decorre na classe e admite apoiar uma paralisação de médicos que sindicatos possam marcar no futuro.
Bastonário da Ordem dos Médicos admite apoiar profissionais que adiram a uma greve
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 11 de setembro de 2017 às 21:18

"Se houver uma greve dos médicos [esse apoio] depende daquilo que forem as reivindicações dos médicos. Os médicos têm muitos motivos para poderem aderir a uma greve que seja convocada pelos sindicatos. Se a Ordem dos Médicos concordar com as reivindicações obviamente que apoiará os médicos que decidirem aderir a grave", disse o bastonário esta segunda-feira, após ter sido recebido em Belém pelo Presidente da República.

 

Quanto à greve dos enfermeiros o bastonário disse que não comentava, ainda que reconhecendo "que existem algumas razões a todos os profissionais da saúde, neste momento, para estarem descontentes com o sistema".

 

Os enfermeiros estão a cumprir hoje o primeiro de cinco dias de greve, uma iniciativa com a qual a Ordem se mostrou solidária, embora frisando que não faz actividade sindical. Ainda assim a posição da bastonária, Ana Rita Cavaco, tem sido alvo de críticas.

 

Questionado pelos jornalistas, Miguel Guimarães começou por lembrar que as ordens profissionais não podem ter funções sindicais, mas que uma greve convocada por sindicatos pode ter o apoio de outras estruturas associativas, incluindo a Ordem, sem que isso significa que esteja a exercer uma função sindical.

 

"Quando tem médicos que estão a lutar por um determinado objectivo, digno, uma reivindicação justa, da mais inteira justiça, não tem mal nenhum que uma ordem profissional apoie, não activamente, mas que dê o seu apoio às suas reivindicações", afirmou.

 

O bastonário, que estava acompanhado pelos presidentes dos conselhos regionais do Norte do Centro e do Sul, (António Araújo, Carlos Cortes e Alexandre Valentim Lourenço, respectivamente), foi "chamado" a Belém para falar ao Presidente dos problemas do sector, tendo da conversa saído a conclusão "que há que investir mais na saúde", para que o país recupere algumas perdas, sobretudo nos últimos quatro anos, disse Miguel Guimarães no final do encontro.

 

É preciso, afirmou, "olhar de forma diferente para Saúde" e apostar num Serviço Nacional de Saúde "verdadeiramente sustentável, fazendo reformas para dar uma resposta mais eficaz, global e precisa ao que são os problemas dos portugueses".

 

É a altura de se investir no sector em termos de Orçamento do Estado, disse o bastonário, acrescentando: porque o "investimento na saúde é uma questão ética e moral, que visa também combater as desigualdades sociais em saúde e que estão a criar um fosso muito grande entre os que têm algum poder económico e os que não tem".

 

Miguel Guimarães lembrou depois que há famílias a gastar 38% do orçamento em Saúde, e disse que o Serviço Nacional de Saúde hoje chega apenas a 60% daquilo que é a saúde dos portugueses.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 1 semana

PUDERA... A ESCUMALHA PROMETEU O QUE AGORA NÃO PODE CUMPRIR...!!!

Clinico de bisturi Há 1 semana

Isto é: perspectiva-se uma greve político-partidária que é, em boa verdade, contra o Serviço Nacional de Saúde. Os médicos e os enfermeiros sabem que não há dinheiro para as suas reivindicações. A tentação do poder será privatizar, onde não há greves. No fim ficamos todos a perder: eles e o povo!

General Ciresp Há 1 semana

Mais um "INEDITISMO"na era gerigoncal.Nunca vi tanta funcao publica ameacar a gerigonca com tanta greve,Ela vai desde o ratinho ate ao cachatote,IMPRESSIONANTE.Ainda gostava de saber o q esta gentinha apavorada ve no d.branca que nunca viram em outro politico.Secalhar tem a ver com a riqueza balofa.

pub
pub
pub
pub