Política Monetária BCE demarca-se de provisões de Carlos Costa
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

BCE demarca-se de provisões de Carlos Costa

Banco de Portugal cortou a fundo nas provisões o que resultou em mais dividendos e IRC, atribuindo a redução a uma avaliação de menor risco da carteira dívida que é da competência de Frankfurt. BCE diz que não tem nada a ver com as provisões dos bancos centrais nacionais.
BCE demarca-se de provisões de Carlos Costa
Miguel Baltazar/Negócios
Rui Peres Jorge 24 de maio de 2017 às 00:01

O BCE demarca-se da definição das provisões e reservas constituídas do Banco de Portugal no ano passado, sublinhando que essa é uma competência exclusiva do banco central. A posição de Frankfurt chega

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais

A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 5 dias

Países avançados, com economias desenvolvidas e políticos sérios, usam excedentes comuns que são públicos, do Estado e por isso de todos os cidadãos nacionais, para constituir Fundos de Riqueza Soberanos que sirvam como um garante de equidade e sustentabilidade futura. Em Portugal não só não se colocam esses recursos a salvo dos gangsters da banca, dos sindicatos defensores do excedentarismo de carreira e da corrupção política, como se entrega diligentemente o ouro aos bandidos.

comentários mais recentes
Conselheiro de Trump Há 4 dias

O ditado nao engana:quem muito dorme.pouco acerta.

Anónimo Há 4 dias

então mas este senhor percebe alguma coisa do que anda a fazer?
O AMIGO HORTA OSÓRIO VEI DAR-LHE UMA AJUDINHA QUE NÃO CONVENCEU NINGUEM!

Anónimo Há 4 dias

Esta foto diz tudo sobre o Banco de Portugal: Costa ladeado por um mago como Máximo...

Anónimo Há 5 dias

Países avançados, com economias desenvolvidas e políticos sérios, usam excedentes comuns que são públicos, do Estado e por isso de todos os cidadãos nacionais, para constituir Fundos de Riqueza Soberanos que sirvam como um garante de equidade e sustentabilidade futura. Em Portugal não só não se colocam esses recursos a salvo dos gangsters da banca, dos sindicatos defensores do excedentarismo de carreira e da corrupção política, como se entrega diligentemente o ouro aos bandidos.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub