Política Monetária BCE poderá reduzir as suas compras mensais de obrigações para 30 mil milhões

BCE poderá reduzir as suas compras mensais de obrigações para 30 mil milhões

A autoridade monetária da Zona Euro está a ponderar reduzir para metade as suas compras mensais de activos já a partir de Janeiro. O programa de compra de activos poderá prolongar-se até Setembro do próximo ano.
BCE poderá reduzir as suas compras mensais de obrigações para 30 mil milhões
Bruno Simão
Ana Laranjeiro 13 de outubro de 2017 às 09:57

O Banco Central Europeu (BCE) estará a ponderar reduzir as suas compras mensais de activos. Actualmente, a autoridade monetária da Zona Euro compra mensalmente até 60 mil milhões de euros em dívida soberana e privada, podendo passar a comprar até 30 mil milhões de euros em títulos. De acordo com fontes da Bloomberg, que pediram o anonimato, esta redução pode entrar em vigor em Janeiro do próximo ano, sendo que este programa ficaria activo durante um período de, pelo menos, nove meses, ou seja, nunca terminará antes de Setembro de 2018.

Membros do BCE, que pediram o anonimato, adiantam que uma redução no programa de compra de activos na ordem dos 30 mil milhões de euros é uma opção viável. Entre os governadores não existe uma posição unânime quanto à data que este programa de compra de obrigações deve terminar. Por conseguinte, avança a Bloomberg, um compromisso de todos para que o programa de compras esteja activo até Setembro – e possa ser alargado em caso de necessidade – pode permitir um acordo, de forma que esta solução seja adoptada.

Esta ideia não é totalmente nova. No início do mês passado, a Reuters avançava que a discussão na reunião de Outubro poderia passar por encurtar o programa mensal de compra de activos para um intervalo entre os 20 e os 40 mil milhões de euros.

No próximo dia 26 de Outubro, o banco central volta a reunir-se para debater a política monetária para a área do euro. A 7 de Setembro, data do último encontro do conselho de Governadores do banco central, Mario Draghi indicou aos jornalistas que no encontro deste mês os governadores devem estar prontos para tomar decisões sobre o seu programa de compra de activos.

As actas do encontro, reveladas a 5 de Outubro, indicam que a autoridade monetária manifestou sinais de preocupação com as recentes variações do euro, que estava a ganhar força em relação ao dólar americano. 

"Houve um consenso alargado entre os membros de que a recente volatilidade na taxa cambial do euro era uma fonte de incerteza, ao mesmo tempo que exigia uma monitorização no que diz respeito às possíveis implicações para as perspectivas a médio prazo para a estabilidade de preços", revelava o documento.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
MILENIUM BCP CHEGOU a HORA Há 6 dias

A TÃO AGUARDADA OPA JÁ ESTÁ DEFENIDA o DIA e A HORA TAMBÉM QUEM A VAI LANÇAR TAMBÉM AGORA MEUS AMIGOS QUEM QUISER GANHAR MUITO $$$$$$$ APROVEITE AGORA ou FICARÁ ARREPENDIDO para TODO o SEMPRE

pub