Política Monetária BCE realçou na última reunião “elevado grau de incerteza” na economia dos EUA

BCE realçou na última reunião “elevado grau de incerteza” na economia dos EUA

Na reunião de final de Abril os responsáveis do BCE mostraram-se preocupados com a envolvente externa, em especial com as incertezas sobre a administração Trump.
BCE realçou na última reunião “elevado grau de incerteza” na economia dos EUA
Reuters
Rui Barroso 18 de maio de 2017 às 13:49

A economia da Zona Euro dá sinais positivos, apesar dos dados da inflação ainda não permitirem o selo de que os preços estão num caminho sustentado para ficar na meta do BCE. Mas fora da Zona Euro há incertezas que preocuparam os responsáveis do banco central, com as consequências das medidas da administração Trump  e "o elevado grau de incerteza" à economia americana em foco.

"O ‘outlook’ externo foi considerado como estando sujeito a elevada incerteza, e o equilíbrio dos riscos para as perspectivas do crescimento global foi avaliado como continuando a pender para baixo", revelam os relatos da reunião de final de Abril divulgados esta quinta-feira. "Entre os factores que continuam a contribuir para esta incerteza estão a dimensão e o ‘timing’ das escolhas políticas futuras da nova administração, o impacto económico da retirada do Reino Unido da União Europeia, o reequilíbrio da procura e a transições em relação às taxas de crescimento mais baixas na China e os desenvolvimentos noutras economias emergentes".

Apesar de as incertezas serem globais, os responsáveis do BCE centraram-se, durante a reunião, no caso dos EUA. "Foi feita referência na discussão ao elevado grau de incerteza em relação aos desenvolvimentos de curto prazo na economia dos EUA, que reflectem uma divergência significativa entre os indicadores avançados e reais", é revelado nos relatos.

Além disso, os governadores do BCE observaram que "os participantes no mercado financeiro estão a reavaliar o ‘outlook’ para o crescimento e inflação nos EUA, já que aparenta que os indicadores nos EUA já não estão a exceder as expectativas do mercado e existe ainda incerteza considerável em relação às políticas da nova administração dos EUA, incluindo as perspectivas para estímulos orçamentais e os sues prováveis efeitos expansionistas".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 18.05.2017

Com a inflacão em 2% o BCE ainda acaba a argumentar com problemas na economia do Bangla Desh para tentar prolongar por mais uns meses as absurdas taxas de juro negativas.

pub
pub
pub
pub