Política Monetária BCE teme um choque "repentino" na dívida europeia

BCE teme um choque "repentino" na dívida europeia

O BCE receia que a subida dos juros nos EUA contagie a Zona Euro e provoque um choque “repentino” nas condições actuais do mercado da dívida.
BCE teme um choque "repentino" na dívida europeia
Reuters
Nuno Aguiar 24 de maio de 2017 às 13:23

O mar está calmo, mas não significa que uma tempestade não possa chegar de um dia para o outro. A mensagem está expressa no Relatório de Estabilidade Financeira do Banco Central Europeu, publicado esta manhã, 24 de Maio. A instituição liderada por Mario Draghi pretende avisar que não se pode excluir a possibilidade de uma subida abrupta de juros nos países da moeda única.

 

O BCE aponta para riscos de um sismo no mercado de dívida. "As yields [juros] das obrigações da Zona Euro podem aumentar repentinamente, sem que haja uma melhoria simultânea das perspectivas de crescimento", pode ler-se no documento. O que provocaria este agravamento? A onda poderá vir do outro lado do Atlântico. "Este cenário pode materializar-se através do contágio de "yields" mais elevadas noutras economias avançadas, em particular nos Estados Unidos."

 

O BCE antevê que, à medida que a política monetária da Reserva Federal dos EUA evolua, as yields de activos de prazos mais longos deverão subir. Tendo em conta o elevado nível de integração entre o mercado norte-americano e europeu, juros mais elevados nos EUA poderão contagiar as obrigações europeias. A Fed já subiu duas vezes os juros e poderá fazê-lo outras duas vezes este ano, se a economia norte-americana continuar a seguir uma trajectória de recuperação.

 

Mas esse não é o único risco. O choque nos mercados pode também ser provocado pela incerteza política, que o BCE ainda classifica como elevada; e por pressões inflacionistas, se estas levarem os investidores a reavaliarem as perspectivas de política monetária.

 

No mesmo documento, o banco central reconhece que os juros dos países da Zona Euro têm caído, mas isso "mascara a fragilidade das finanças públicas de vários países".

 

O programa de compra de dívida do BCE tem contribuído para um alívio dos juros pagos por Portugal. Embora a dimensão desse impacto positivo não seja consensual, ela está avaliada entre 1 a 2 pontos percentuais. Contudo, nos últimos meses, o BCE começou a diminuir os montantes dessas compras (curiosamente, os juros portugueses têm descido recentemente) e, para o futuro, prevêem-se mais recuos, à medida que se confirme a solidez da retoma europeia e uma recuperação da inflação. Este movimento terá, no entanto, de ser bastante gradual, para que não se traduza num agravamento substancial das condições de acesso a financiamento, principalmente por parte de países em situação mais débil, como é o caso de Portugal.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 24.05.2017

Se o pitroile e o juros sobem a serio la vai o "milagre economico" do anToine Tosta e dos geringonços....

E eles não merecem atendendo a quantidade de reformas que fizeram! Das reversoes! Das reposições! As contrataçoes de milhares e aos aumentos salariais e redução horario dos FP!

Anónimo 24.05.2017

Com a inflação em 2 % e taxas de juro negativas o BCE em vez de política monetária, está a fazer política a favor dos endividados e à custa dos outros.

surpreso 24.05.2017

Os juros têm de subir ,logo que altere a sua prioridade de proteger a dívida italiana

A NOVA ESTRATÉGIA DA PAFAS IRREVOGÁVEL 24.05.2017

PARA A PAFAS, QUALQUER COISA MÁ ERA CULPA DE SÓCRATES- ERA SUPOSTO QUE TINHA VINDO PARA MELHORAR. AS COISAS BOAS ERAM MÉRITO SEU! DEPOIS PASSOU A ANUNCIAR TRAGÉDIA SEMPRE PARA O MÊS SEGUINTE.COMO FOI 1 FIASCO, AGORA DIZ QUE OS MÉRITOS DESTE GOVERNO SE DEVEM AO ANTERIOR- JÁ BASTA DE TANTA INTRUJICE!

pub
pub
pub
pub