Política BE defende aumento do rendimento disponível e reforço na Educação e Saúde

BE defende aumento do rendimento disponível e reforço na Educação e Saúde

"Começar a desfazer o enorme aumento de impostos de Vítor Gaspar [ex-ministro das Finanças] com mais escalões de IRS é essencial para conseguir esse alívio nos rendimentos da generalidade das famílias em Portugal", sublinhou Catarina Martins
BE defende aumento do rendimento disponível e reforço na Educação e Saúde
Miguel Baltazar
Lusa 02 de setembro de 2017 às 16:26
A coordenadora do BE, Catarina Martins, afirmou hoje que a responsabilidade do partido actualmente é defender o aumento do rendimento disponível conseguido com o trabalho e recuperar os serviços públicos "atacados" durante o Governo PSD/CDS-PP.

Catarina Martins participou de manhã numa ação de pré-campanha, no Mercado de Benfica, com o candidato do Bloco de Esquerda à Câmara de Lisboa, Ricardo Robles, onde apresentou as propostas do partido e ouviu queixas de cidadãos.

"Quem fala connosco vai reconhecendo que houve melhorias, mas também nos fala do tanto que ainda há por fazer. Das pensões que ainda são muito baixas, do salário que ainda não chega, das horas extraordinárias que não são pagas, das dificuldades no acesso à habitação e aos transportes. E essa exigência é uma exigência de quem vem tendo confiança numa nova situação política e vendo os resultados de uma economia que está a melhorar, mas aguarda que essa melhoria possa fazer efeito na vida concreta", disse.

Para que estes "efeitos na vida concreta" dos cidadãos se sintam, e numa altura em que se negoceia o Orçamento do Estado para o próximo ano, a líder bloquista considera que "a grande responsabilidade" do partido passa por defender a recuperação dos rendimentos do trabalho - pensões e salários – e dos "serviços públicos - da Saúde, da Educação, dos Transpores -, aquilo que pode fazer a diferença e que foi muito atacado nos anos de PSD/CDS-PP e da ‘troika’".

Desde logo, segundo Catarina Martins, o BE tem "uma proposta essencial" que é conseguir, ao nível do Imposto sobre o Rendimento Singular (IRS), um "alívio dos rendimentos do trabalho" de quem ganha menos e "da classe média, que tem uma carga fiscal muito grande em Portugal e que, com isso, reduz muito o seu rendimento disponível".

"Começar a desfazer o enorme aumento de impostos de Vítor Gaspar [ex-ministro das Finanças] com mais escalões de IRS é essencial para conseguir esse alívio nos rendimentos da generalidade das famílias em Portugal", sublinhou.

Por outro lado, destacou que "há também imensas injustiças" para corrigir, nomeadamente para quem começou a trabalhar aos 12/14 anos, "pediu a reforma ainda sob a legislação da direita e hoje vive com 150 euros por mês".

"É por aqui que temos negociado, temos conversado, é um percurso não isento de dificuldades, mas seguramente hoje o país está em melhores condições do que alguma vez esteve para dar estes passos de justiça essencial a quem trabalha e a quem trabalhou tanto", salientou.

A responsável salientou ainda que a recuperação dos serviços públicos, nomeadamente na Saúde e na Educação, é um dos pilares do BE e relembrou as dificuldades dos enfermeiros especialistas, nos médicos com dificuldade de aceder à especialidade, na "praga dos professores contratados décadas e décadas, a saltitar de escola em escola, quando as escolas estão a precisar tanto de mais professores e de mais pessoal não docente".

Já na sexta-feira, Catarina Martins tinha defendido, em Vila do Conde, um reforço de verbas no Orçamento do Estado para 2018 para as áreas da Saúde e Educação, afirmando ser "uma exigência".

"Para o BE, o reforço dos serviços públicos, nomeadamente essenciais e que servem a população, é exigência deste orçamento de Estado", afirmou.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Rogerio 02.09.2017

Dra. Catarina Martins não estique a corda para além das capacidades do país. A primeira prioridade devia ser pôr fim ao ESCANDALO NACIONAL - pôr os cerca de 1000 portugueses mais Ricos do país a pagar IRS. Estes portugueses com rendimentos anuais acima de 5 Milhões de Euros NÃO PAGAM IRS (só 0,5%) e deviam pagar 25% do bolo do IRS total nacional. INADMISSÍVEL numa sociedade Democratica, Justa e Moderna. E porquê não pagam? Porque se calhar há Politicos que beneficiaram e beneficiam com este tipo de favores. Salvemos Portugal de tanta ladroagem.

Saber mais e Alertas
pub