Política BE desafia Governo a liderar movimento para debater dívida na Europa

BE desafia Governo a liderar movimento para debater dívida na Europa

O Bloco de Esquerda desafiou hoje o Governo português a liderar um movimento na União Europeia para debater a questão da dívida, enquanto a secretária de Estado dos Assuntos Europeus alertou para as várias eleições em 2017.
BE desafia Governo a liderar movimento para debater dívida na Europa
Secretária de Estado lembrou que em 2017 há um calendário eleitoral "fortíssimo" na Europa
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 20 de dezembro de 2016 às 19:11

O Bloco de Esquerda (BE) coloca a questão do debate "sobre a dívida e o peso dos juros não sobre jogos de semântica ou sobre quem disse o quê", mas "interessa aqui questionar se o Governo coloca a hipótese de apenas fazer o debate caso este seja conjunto, numa tendência de vários países europeus", afirmou a deputada Isabel Pires, durante uma audição da secretária de Estado dos Assuntos Europeus na comissão parlamentar de Assuntos Europeus, a propósito do Conselho Europeu das quinta e sexta-feira passadas.   

 

"Está ou não o Governo disposto a ser o piloto dessa tendência?", perguntou a bloquista, depois de considerar que a dívida "tem sido usada pelas instituições europeias como um instrumento político e de chantagem". 

 

Na resposta, a secretária de Estado, Margarida Marques, garantiu que o Governo "não deixará de colocar as questões na agenda, mas tem consciência de quais são os melhores momentos para as colocar". 

 

A governante lembrou que "há cada vez uma maior tendência de europeizar problemas nacionais" e alguns líderes europeus "pensam mais no impacto nos eleitorados dos seus países do que no projecto de construção europeia". 

 

Nesse sentido, a secretária de Estado comentou que em 2017 há um calendário eleitoral "fortíssimo", com eleições em França, Holanda e Alemanha, e também Itália, logo no início de 2018, e "é preciso saber lidar com esse calendário para saber qual é o momento oportuno para que determinadas propostas possam ser aprofundadas ou não".

 

A questão do debate sobre a renegociação da dívida foi levantada, durante a audição parlamentar, pelos deputados de todos os partidos.

 

Pelo PSD, Duarte Marques acusou o Governo de "esquizofrenia" nesta matéria, apontando posições diferentes do primeiro-ministro, a remeter a questão para depois das eleições na Alemanha, enquanto o ministro do Trabalho defendeu a necessidade de acelerar a renegociação da dívida. 

 

Também Pedro Mota Soares (CDS-PP) falou do "Silva bom e Silva mau", referindo-se a Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros, que colocou a questão no âmbito de um debate sobre o problema da dívida europeia, e a Vieira da Silva, responsável pela pasta do Trabalho.

 

"O Governo vai seguir o que disse o ministro Vieira da Silva, liderando uma renegociação da dívida ou vai desautorizar o que o ministro Vieira da Silva disse, muito provavelmente para consumo interno?", perguntou.      

 

A deputada comunista Paula Santos considerou que "os encargos associados à dívida são insuportáveis" e defendeu a "necessidade de fazer algo, o que passa naturalmente pela renegociação de taxas de juro e montantes" da dívida.

 

O socialista Vitalino Canas questionou o PSD sobre qual é a sua posição sobre a questão da dívida.

 

"O PSD acha que nunca se deveria discutir, mesmo que seja colocada ao nível europeu? Assim, estaria a assumir uma posição de negação de um problema europeu, não é um problema de Portugal. Será que o PSD acha que Portugal devia já lançar-se a querer discutir o tema da dívida, isoladamente? Isso é um bocadinho inconveniente e improfícuo. Ou o PSD quer ter uma atitude de cautela, esperar que o tema seja suscitado pela Europa? Se assim for, é a posição do Governo", argumentou o deputado do PS. 

 

Nas várias respostas que foi dando, ao longo da audição, a secretária de Estado sublinhou que "o elemento comum" às declarações de todos os membros do Governo é que "a questão só se colocará em cima da mesa no contexto de discussão sobre as dívidas europeias".

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz 21.12.2016

AI......

BURROS BURROS BURROS

Anónimo 20.12.2016

Jornal de Notícias: "O Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social só suporta pensões por 14 meses, concluiu, esta terça-feira, o Tribunal de Contas".

Anónimo 20.12.2016

Fazem lembrar aquela senhora que diz passar fome com cabelo pintado,olhos pintados,sobrancelhas posticas,beichos pintados,unhas pintadas,cigarro na boca e outra ja a pedir o osqueiro.Ovelha que berra por nao querer baixar-se,nao chama atencao.

pub