Política BE discorda da devolução do IVA aos partidos e votou a favor da lei para viabilizar convergência

BE discorda da devolução do IVA aos partidos e votou a favor da lei para viabilizar convergência

O Bloco de Esquerda (BE) afirmou discordar da devolução do IVA aos partidos políticos apesar de a ter votado favoravelmente no parlamento, alegando que a posição assumida visou "a necessidade de convergência".
BE discorda da devolução do IVA aos partidos e votou a favor da lei para viabilizar convergência
Pedro Elias
Lusa 27 de dezembro de 2017 às 14:10
Em comunicado, o BE afirma que "a lei deve e pode melhorar" e disse aguardar a "avaliação política" do Presidente da República, manifestando-se "disponível para melhorar a lei".

Ao mesmo tempo, afirma que não colaborará "em qualquer estratégia dilatória que possa redundar na incapacidade de fiscalização da actividade e das contas partidárias".

Quanto ao conteúdo do diploma, o BE considera que "não deveria existir devolução do IVA aos partidos políticos por incorporar uma discriminação entre candidaturas partidárias e candidaturas de grupos de cidadãos eleitores a autarquias locais", que não têm direito a este benefício.

A votação do BE, favorável, "foi norteada pela necessidade da referida convergência e não espelha a posição de fundo do Bloco de Esquerda sobre esta matéria".

"Não tendo sido possível alterar o consenso existente, o voto do Bloco foi a forma de garantir que os partidos não ficavam, por incapacidade de acordo, sem fiscalização", alegou o BE.

Entre as alterações aprovadas na quinta-feira passada, dia 21 de Dezembro, apenas com os votos contra do CDS-PP e do PAN, prevê-se que os partidos podem requerer a devolução do IVA pelos bens e serviços que adquiram, na sua totalidade.

Até agora, a lei em vigor determina que só podem pedir a restituição do IVA pela compra de bens e serviços que "visem difundir a sua mensagem política ou identidade própria".

Para o BE, esta alteração significa que "é clarificada a forma de tratamento" do IVA, seguindo a "convergência possível".

O BE admite no comunicado que o processo legislativo teve como "principal objectivo a introdução na lei das alterações recomendadas pelo Tribunal Constitucional".

Em Março passado, o presidente do TC, Costa Andrade, advertiu para a necessidade de alterar o modelo de fiscalização das contas partidárias, incluindo prazos, sob pena de "paralisia" dos processos.

Costa Andrade chamou a atenção também para a necessidade de mudar o modelo de fiscalização para introduzir uma instância de recurso, o que veio a acontecer, quando os partidos aprovaram a autonomização da Entidade das Contas e Financiamentos Políticos que passou a ter a competência para aplicar as coimas.

Depois, caso não concordem, os partidos podem recorrer ao plenário do TC, com efeitos suspensivos da decisão da ECFP até haver acórdão final.

Para além das mudanças no processo de fiscalização das contas, os partidos aprovaram alterações ao financiamento.

No comunicado, o BE não se refere à alteração que pôs fim ao limite para a obtenção de receitas através de iniciativas de angariação de fundos. Na lei actual, estas receitas "não podem exceder anualmente, por partido, 1500 vezes o valor do IAS" (Indexante de Apoios Sociais).

Contudo, destaca que "os donativos individuais continuam limitados anualmente a 25 vezes o valor do IAS".

Quanto à alteração para permitir o uso de espaços e salas públicas pelos partidos, o BE considera que "é clarificada" a forma de utilização daqueles espaços "garantindo regras de igualdade no tratamento de candidaturas e partidos" e ultrapassando o que classificou como "dificuldades contabilísticas actualmente existentes".

Para o BE, o "processo legislativo destas alterações seguiu o curso normal na Assembleia da República".

O grupo de trabalho "funcionou em colaboração com o Tribunal Constitucional, como é comum, que discutiu e levou as suas propostas a plenário", disse.

No processo, o BE teve posições diferenciadas dos restantes partidos desse grupo", sublinhou.



A sua opinião29
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JARANES Há 3 semanas

PARTIDOS POLITICOS = ORGANIZAÇÕES MAFIOSAS E CORRUPTORAS
Tudo isto é resultado da javardela que foi o 25 de Abril de 74
No dia 25.04.1974 os supostos democratas (que são nada mais nada menos que os vígaros de longa data, mantidos afastados do poder durante o Estado Novo) organizaram-se em partidos políticos para saquear o Estado.
Sob a promessa de democracia, por via da pluralidade, legitimaram-se no poder e, desde então, têm-se servido dele, não para servir a pátria mas para se servirem a si próprios.
De facto, sob a aparência da pluralidade e do jogo democrático vão-se legitimando e revezando no poder, sendo sempre os mesmos, seja sob que sigla ou símbolo partidário seja.
E tem sido esta casta o principal factor de corrupção, aviltamento dos valores da Nação e empobrecimento do Estado.
É que, sob a aparência de desenvolvimento, a única coisa que criaram foi um colossal endividamento do Estado e a subjugação da sua soberania.

comentários mais recentes
O Bloco de Esterco é igual ou pior q os outros! Há 2 semanas

Ora, as esganiçadas na hora da verdade são como os outros! Tb querem chupar e ficar isentos de IVA, e carregar na derrama das empresas! Mortágua por esta atitude devia ser en rrabada sem dó nem piedade por 5 negrões abonados q lhe rebentassem o kagueiro e andasse 1 mês sem se poder sentar na AR!

Portugal...que futuro? Há 3 semanas

Continuem a votar e depois têm mais prendas destas no futuro

JARANES Há 3 semanas

PARTIDOS POLITICOS = ORGANIZAÇÕES MAFIOSAS E CORRUPTORAS
Tudo isto é resultado da javardela que foi o 25 de Abril de 74
No dia 25.04.1974 os supostos democratas (que são nada mais nada menos que os vígaros de longa data, mantidos afastados do poder durante o Estado Novo) organizaram-se em partidos políticos para saquear o Estado.
Sob a promessa de democracia, por via da pluralidade, legitimaram-se no poder e, desde então, têm-se servido dele, não para servir a pátria mas para se servirem a si próprios.
De facto, sob a aparência da pluralidade e do jogo democrático vão-se legitimando e revezando no poder, sendo sempre os mesmos, seja sob que sigla ou símbolo partidário seja.
E tem sido esta casta o principal factor de corrupção, aviltamento dos valores da Nação e empobrecimento do Estado.
É que, sob a aparência de desenvolvimento, a única coisa que criaram foi um colossal endividamento do Estado e a subjugação da sua soberania.

JARANES Há 3 semanas

ONDE ANDA A PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA
S.ra PGR fazer leis destas não é legislar. Isto é BURLA e, portanto, crime.
Você tem o dever de proceder criminalmente contra os partidos políticos e políticos que fizeram e aprovaram esta lei, com o claro intuito de obter financiamentos que a comunidade entende como ilícitos ( por ofenderem o sentimento comum da sociedade) e que está lei visa tornar lícitos.

ver mais comentários
pub