Política BE e PCP aprovam relatório do inquérito à CGD com declaração de voto

BE e PCP aprovam relatório do inquérito à CGD com declaração de voto

Bloquistas e comunistas fazem declaração de voto na aprovação do relatório final. O BE estabelece uma ligação entre o financiamento a accionistas do BCP e a ida de Santos Ferreira para o banco. O PCP quer mais críticas à Europa.
BE e PCP aprovam relatório do inquérito à CGD com declaração de voto
Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro 18 de julho de 2017 às 18:21

O Bloco de Esquerda e o Partido Comunista Português juntam-se ao Partido Socialista na aprovação do relatório final da comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos, que menciona que, "em alguns casos", o banco público funcionou como os concorrentes privados.

 

Na declaração de voto, o deputado bloquista Moisés Ferreira explicou que o documento final, da autoria do socialista Carlos Pereira, "não ignora" nenhum facto sobre a CGD, mas "nem sempre os relaciona de forma tão clara" como o partido pretendia.

 

"Para o Bloco, é claro que existiram actos de gestão cuja motivação não é entendível à luz do interesse público e do interesse do banco público", indica a declaração de voto. Moisés Ferreira garante que "existiram actos de interferência e decisão política que trouxeram prejuízo operacional" à Caixa.

 

O BE fala especificamente dos financiamentos concedidos a accionistas do BCP: "A CGD canalizou centenas de milhões de euros para financiar a guerra de um banco privado". E relaciona claramente esse ponto com a ida, no final de 2007, do então presidente do banco público para o BCP, juntamente com o administrador Armando Vara.

 

PCP quer ir contra Europa

 

Os comunistas, também votando favoravelmente, apresentaram uma declaração de voto em que dizem que devia estar sublinhado que a comissão de inquérito "funcionou como um mero instrumento partidário na táctica parlamentar do PSD e CDS".  

 

"O PCP não se identifica particularmente nem com o tom nem com a forma. Contudo, entendemos um relato fiel daquilo que foi possível a esta comissão apurar", justificou Miguel Tiago na audição desta terça-feira, 18 de Julho, na comissão de inquérito.

 

Na declaração de voto, o PCP defende que é "necessário, em determinados momentos e sob várias formas, confrontar as imposições e as regras de funcionamento do capitalismo que estão convertidas em lei no quadro da União Europeia e resgatar a soberania nacional, política, económica e financeira".

 

O relatório da autoria do deputado socialista Carlos Pereira, e que contou com algumas das propostas acrescentadas pelo BE pelo PCP, conta com o voto favorável dos partidos de esquerda. O PSD e o CDS anunciaram a oposição ao relatório final. 

PS ataca "branqueamento político" do PSD

 

Do lado do PS, João Paulo Correia respondeu com o "branqueamento político" feito pelo Governo PSD/CDS para capitalizar a Caixa Geral de Depósitos, em 2012, "pelos mínimos". O PSD "não acreditava" no banco, acusou o deputado.

"Estamos certos de que o grande objectivo desta comissão de inquérito foi sempre atacar o processo de recapitalização que estava a ser negociado e construído com entidades europeias", declarou João Paulo Correia.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub